Diretrizes sobre a Observância do Sábado

Propósito e Perspectiva

O principal objetivo deste documento sobre a observância do sábado é oferecer conselhos ou diretrizes aos membros da Igreja que desejam uma experiência mais rica e significativa de observância do sábado.  Espera-se que se produza um estímulo para uma genuína reforma quanto à guarda do sábado em âmbito mundial.

Conhecendo-se o fato de que a comunidade mundial de adoradores encontra numerosos problemas quanto à observância do sábado, originários de determinados contextos culturais e ideológicos, tentou-se tomar essas dificuldades em consideração.  Não pretende este documento abranger todas as questões relativas à guarda do sábado, mas apresentar princípios bíblicos e diretrizes do Espírito de Profecia que ajudem os membros da Igreja em seu esforço por seguir a orientação do Senhor.

Espera-se que os conselhos dados neste documento sejam úteis.  Em última análise, entretanto, as decisões feitas sob circunstâncias críticas devem ser motivadas pela fé e confiança pessoal no Senhor Jesus Cristo.

Sábado – Salvaguarda de Nosso Relacionamento com Deus

O sábado engloba toda nossa relação com Deus.  É uma indicação dos atos de Deus em nosso favor no passado, presente e futuro.  O sábado protege a amizade do homem com Deus e proporciona o tempo essencial para o desenvolvimento dessa relação.  O sábado esclarece a relação entre Deus e a família humana, pois aponta a Deus como criador numa época em que os seres humanos gostariam de usurpar a posição de Deus no universo.

Nesta era de materialismo, o sábado conduz homens e mulheres àquilo que é espiritual e pessoal.  São sérias as consequências de esquecer o dia do sábado para o santificar.  Esse esquecimento produzirá uma distorção e final destruição do relacionamento de uma pessoa com Deus.

Quando é guardado o sábado, ele torna-se testemunha do repouso que advém de confiar apenas em Deus como sustentador, como base de nossa salvação e como o fundamento de nossa esperança no futuro.  Como tal, o sábado é um deleite porque entramos no descanso de Deus e aceitamos o convite para comungar com Ele.

Quando Deus pede que nos lembremos do dia do sábado, Ele o faz porque deseja que nos lembremos dEle.

Princípios e Teologia da Observância do Sábado

1) Natureza e Propósito do Sábado.  A origem do sábado encontra-se na criação, quando Deus descansou de Sua obra no sétimo dia (Gên. 1-3).  O sábado tem importância como sinal perpétuo do concerto eterno entre Deus e Seu povo, a fim de que soubessem quem os criou (Êx. 31:17) e os santifica (Êx. 31:13; Ezeq. 20:12), e para que O reconhecessem como o Senhor seu Deus (Ezeq. 20:20).

2) O Caráter Singular do Sábado.  O sábado é uma ocasião especial para a adoração de Deus como Criador e Redentor, e como o Senhor da vida, com quem toda a família humana se reunirá por ocasião do segundo advento.  O mandamento do sábado forma o centro da lei moral, como o selo da autoridade de Deus.  Sendo que constitui um símbolo do relacionamento de amor de Deus com seus filhos terrestres, os seres humanos são obrigados a respeitar este dom no sentido de que farão o possível para promover e envolver-se em atividades que ajudem a estabelecer e reforçar um relacionamento duradouro com Deus.  Assim Seu povo se envolverá apenas em atividades voltadas para Deus e seus semelhantes, e não naquelas que se inclinam para a gratificação do próprio eu e dos próprios interesses.

3)  A Universalidade do Sábado.  A universalidade tem sua raiz na criação.  Dessa maneira seus privilégios e obrigações são vigentes para todas as nações, classes ou setores. (Êx. 20:11; 23:12; Deut. 5:13; Isa. 56:1-8).  A observância do sábado diz respeito a todos os membros da casa, incluindo as crianças, e estende-se até mesmo “ao estrangeiro que está dentro das tuas portas” (Êx. 20:10).

4) Os Limites do Tempo do Sábado.  Dados bíblicos: o sábado começa no final do sexto dia da semana e dura um dia, de anoitecer a anoitecer (Gên. 1; Mar. 1:32).  Esse tempo coincide com o tempo do ocaso do sol.  Nos lugares onde for difícil determinar exatamente a hora do pôr-do-sol, o guardador do sábado começará o sábado no final do dia, marcado pela diminuição da luz.

5) Princípios que Orientam a Observância do Sábado.  Embora a Bíblia não trate diretamente de muitas questões específicas que possamos ter atualmente quanto à observância do sábado, ela nos apresenta princípios gerais aplicáveis hoje (ver Êx. 16:29; 20:8-11; 34:21; Isa. 58:13; Nee. 13:15-22).

“A lei proíbe trabalho secular no dia de repouso do Senhor; o labor que constitui o ganha-pão, deve cessar; nenhum trabalho que vise prazer ou proveito mundano é lícito nesse dia; mas como Deus cessou Seu labor de criar e repousou no sábado, e o abençoou, assim o homem deve deixar as ocupações da vida diária, e devotar essas sagradas horas a um saudável repouso, ao culto e a boas obras.” (O Desejado de Todas a Nações, p. 186).

Esse conceito, entretanto, não apóia a inatividade total. O Antigo e o Novo testamentos nos convidam a cuidar das necessidades e aliviar o sofrimento dos outros, pois o sábado é um bom dia para todos, particularmente para os humildes e oprimidos (Êxodo 23:12; Mat. 12:10-13; Mar. 2:27; Luc. 13:11-17; João 9:1-21).

Contudo, nem mesmo as boas obras devem obscurecer a principal característica da observância do sábado, a saber, o repouso (Gên. 2:1-3).  Isso inclui tanto o repouso físico (Êxodo 23:12) como o espiritual em Deus (Mat. 11:28).  O último leva o observador do sábado a procurar a presença de Deus e à comunhão com Ele no culto (Isa. 48:13), tanto na meditação silenciosa (Mat. 12:1-8) como na adoração pública (Jer. 23:32; II Reis 4;23; 11:4-12; I Crônicas 23:30; Isa. 56:1-8).  Seu objetivo é reconhecer a Deus como Criador e Redentor (Gên. 2:1-3; Deut. 5:12-15), e é compartilhado pela família isoladamente e pela comunidade maior (Isa. 56:1-8).

6)  O Sábado e a Autoridade da Palavra de Deus.  Ellen White assinala que o mandamento do sábado é único, pois contém o selo da Lei de Deus.  Unicamente ele “apresenta não só o nome mas o título do Legislador.  Declara ser Ele o Criador dos céus e da Terra e mostra, assim, o Seu direito à reverência e culto, acima de todos.  Afora esse preceito, nada há no decálogo para mostrar por que autoridade a lei é dada” (O Grande Conflito, pp. 451-452).

O sábado, com sinal do Criador, aponta para Sua autoridade e direito de propriedade.  Uma significativa observância do sábado, portanto, indica a aceitação de Deus como Criador e Possuidor, e reconhece Sua autoridade sobre toda a criação, inclusive o próprio ser.  A observância do sábado baseia-se sobre a autoridade da Palavra de Deus.  Não há para ela outra razão lógica.

Os seres humanos têm a liberdade de entrar em relacionamento com o Criador do universo como um amigo pessoal.

Os guardadores do sábado podem ter de enfrentar resistências por vezes devido ao seu compromisso com Deus no sentido de santificar o sábado.  Para aqueles que não reconhecem a Deus como seu Criador, parece arbitrário ou inexplicável que alguém deixe seu trabalho no dia de sábado meramente por  motivos religiosos.  A observância significativa do sábado testifica do fato de que escolhemos obedecer ao mandamento de Deus.  Assim reconhecemos que nossa vida é agora vivida em obediência à Palavra de Deus.  O sábado constituirá uma prova especial no tempo do fim.  O crente terá de fazer uma escolha entre submeter-se à Palavra de Deus ou à autoridade humana (Apoc. 14:7,12).

A Vida no Lar e na Família e sua Relação com o Sábado

1) Introdução.  A vida doméstica é a pedra angular da apropriada observância do sábado.  Somente quando as pessoas observam o sábado conscienciosamente no lar e assumem suas correspondentes responsabilidades como membros da família, a Igreja como um todo revelará ao mundo as alegrias e privilégios do santo dia de Deus.

2) Diferentes Tipos de Lares.  No século XXI há vários tipos de lares; por exemplo, o lar onde há marido, esposa e filhos; o lar onde há marido e esposa sem filhos; o lar onde há apenas um pai (ou mãe) com filhos (onde, devido ao falecimento ou ao divórcio, o pai ou a mãe precisam atuar como pai e mãe ao mesmo tempo); o lar em que uma pessoa tenha se casado ou em que a morte ou o divórcio tenha deixado alguém sozinho, sem filhos; ou o lar em que apenas o pai ou a mãe seja membro da Igreja.  Ao levar em conta as necessidades e os problemas dessas categorias, deve-se entender que alguns dos princípios e sugestões enunciados se aplicarão a todos os grupos, e alguns serão mais especializados.

3) Duas Instituições Sagradas – O Lar e o Sábado.  “No princípio” Deus colocou um homem e uma mulher no Jardim do Éden, seu lar.  Também “no princípio” Deus deu o sábado aos seres humanos.  Essas duas instituições, o lar e o sábado, andam juntas.  Ambas são dons de Deus.  Portanto, ambas são sagradas, sendo que a última fortalece e enriquece de maneira única os laços da primeira.

O companheirismo íntimo é um elemento importante do lar. O companheirismo íntimo com outros seres humanos é um elemento importante do sábado. Ele aproxima as famílias a Deus e os indivíduos uns aos outros.  Vista a partir dessa perspectiva, a importância do sábado para o lar não pode ser subestimada.

4) Responsabilidades dos Adultos como Mestres.  Ao escolher Abraão como pai do povo escolhido, Deus disse: “Eu o escolhi para que ordene a seus filhos e a sua casa depois dele.” (Gên. 18:19).  Parece claro, então, que foi dada aos adultos uma enorme responsabilidade no lar com vistas ao bem-estar espiritual dos filhos.  Tanto por preceito como por exemplo, devem eles proporcionar o tipo de estrutura e atmosfera que torne o sábado um deleite e uma parte tão vital da vida cristã que, mesmo muito tempo depois de deixar o lar, os filhos continuem os costumes que lhes foram ensinados na infância.

Em harmonia com a injunção “tu as inculcarás (as palavras e mandamentos de Deus) a teus filhos” (conforme Deut. 6:4-9), os membros adultos da família devem ensinar os filhos amarem a Deus e guardarem seus mandamentos.  Devem ensiná-los a ser leais a Deus e a seguir sua direção.

Desde a mais tenra infância, as crianças devem ser ensinadas a participar do culto familiar, a fim de que o culto na casa de Deus se torne uma extensão do costume da família.  Também desde a infância, as crianças devem ser ensinadas sobre a importância da assistência à igreja, aprendendo que a verdadeira observância do sábado envolve ir à casa de Deus para o culto e o estudo da Bíblia.  Os adultos da família devem dar o exemplo, assistindo aos cultos de sábado, formando um padrão que será visto como importante quando os filhos tomarem decisão sobre aquilo que tem valor na vida.  Através de discussões, enquanto as crianças crescem e se tornam mais maduras, e através do estudo da Bíblia, deve-se-lhes ensinar o significado do sábado, sua relação com o viver cristão e sua natureza permanente.

5) Preparação para o Sábado.  Se o sábado deve ser observado devidamente, a semana inteira deve ser programada de tal maneira que todos os membros estejam prontos para receber o santo dia quando ele chegar.  Isso significa que os membros adultos da família farão planos para que as tarefas domésticas – a compra e o preparo de alimentos, o preparo das roupas e todas as outras necessidades da vida diária – sejam completadas antes do pôr-do-sol de sexta-feira.  O dia de repouso deve tornar-se o eixo em torno do qual gira a roda da semana inteira.  Quando se aproximar o pôr-do-sol e o anoitecer de sexta-feira, adultos e crianças poderão saudar o sábado com tranquilidade de consciência, tendo concluído todos os preparativos e com a casa pronta para passar as seguintes 24 horas com Deus e uns com os outros.  As crianças podem ajudar nesse sentido, assumindo responsabilidades de preparo para o sábado de acordo com seu grau de maturidade.  A maneira como a família se aproxima do início do sábado, ao pôr-do-sol de sexta-feira, e a maneira como é passada a noite de sexta-feira, constituirão o cenário para o recebimento das bênçãos que o Senhor tem em reserva para todo o dia que se segue.

6) Vestuário Apropriado para o Sábado. Onde há crianças no lar, ao vestir-se a família no sábado de manhã para ir à igreja, os adultos podem por preceito e exemplo ensinar os filhos que uma forma de honrar a Deus é ir à Sua casa com roupas limpas, que representem apropriadamente a cultura em que vivem.

7) A Importância da Hora do Estudo da Bíblia.  Nos lugares onde as crianças não têm a vantagem de frequentar escolas adventistas, a Escola Sabatina torna-se o mais importante meio de instrução religiosa fora do lar.  Não se pode subestimar o valor desta hora de estudo da Bíblia.  Os pais, portanto, devem assistir aos cultos do sábado de manhã e fazer todo o possível para levar os filhos consigo.

8) Atividades da Família no Sábado.  Na maioria das culturas, a reunião de sábado ao meio dia, quando a família se reúne em torno da mesa para o almoço no lar, é um ponto alto da semana.  O espírito de sagrada alegria e companheirismo, iniciado na hora de levantar e continuado durante a programação da manhã na igreja, intensifica-se.  Sem as distrações de uma atmosfera secular, a família pode conversar sobre temas de interesse mútuo e manter a disposição espiritual do dia.      

Quando é compreendida a natureza sagrada do sábado e existe um relacionamento de amor entre pais e filhos, todos procurarão evitar a intromissão, nas horas sagradas, de música secular, rádio, jornais, livros, revistas e programa de televisão e vídeo.

As tardes de sábado, tanto quanto possível, serão empregadas em atividades de família – explorar a natureza, fazer visitas missionárias a doentes ou pessoas de resguardo ou a outras que necessitem de encorajamento, e assistir às reuniões da igreja.  À medida que as crianças crescem, as atividades se ampliarão para atingir outros membros de sua faixa etária na igreja, sempre com a pergunta em mente: “Esta atividade me leva a compreender melhor a verdadeira e sagrada natureza do sábado?”  Assim, a devida observância do sábado no lar exercerá uma influência duradoura para o tempo e a eternidade.

A Observância do Sábado e as Atividades Recreativas

1) Introdução. A observância do sábado inclui o culto e a comunhão. O convite para desfrutar ambos é amplo e generoso. O culto sabático dirigido a Deus geralmente ocorre numa comunidade de crentes.  A mesma comunidade provê comunhão. Tanto o culto como a comunhão oferecem um potencial ilimitado de louvor a Deus que enriquecem a vida dos cristãos.  Quando o culto sabático ou a comunhão são distorcidos ou abusados, o louvor a Deus e o enriquecimento pessoal ficam ameaçados.  Como o dom de Si mesmo que Deus nos faz, o sábado traz genuíno gozo no Senhor.  É uma oportunidade para que os crentes reconheçam e atinjam o potencial que receberam de Deus.  Assim, para o crente, o sábado é um deleite.

2) Fatores Alheios à Observância. O sábado pode ser facilmente invadido por elementos alheios ao seu espírito.  Na experiência do culto e da comunhão, o crente deve estar sempre alerta em relação a fatores que prejudiquem a sua percepção da natureza sagrada do sábado.  O senso da santidade do sábado é ameaçado particularmente por tipos errados de comunhão e atividades.  Por contraste, a santidade do sábado é exaltada quando o Criador permanece como centro desse dia santo.

3) Fenômenos Culturalmente Condicionados na Observância do Sábado. É importante compreender que os cristãos prestam obediência a Deus e, dessa maneira, observam o sábado no lugar histórico e cultural onde vivem.  É possível que tanto a história quanto a cultura nos condicionem de maneira falsa e produzam a distorção de nossos valores.  Ao apelar para a cultura podemos ser culpados de dar-nos a desculpa ou licença de condescender com esportes e atividades recreativas incompatíveis com a santidade do sábado.  Por exemplo, o exercício físico intenso e várias formas de turismo não se harmonizam  com a verdadeira observância do sábado.

Qualquer tentativa de regulamentar a observância do sábado além dos princípios bíblicos, preparando listas de proibições para o dia do sábado, serão contraprodutivas para uma experiência espiritual sólida.  O cristão submeterá a sua experiência sabática ao teste do princípio.  Ele sabe que o principal objetivo do sábado é fortalecer o elo de união entre si mesmo e Deus.  Dessa forma, são aceitáveis as atividades guiadas por princípios bíblicos e as que contribuem para esse fortalecimento.

Visto que ninguém pode avaliar corretamente os motivos pessoais dos outros, o cristão deve ser muito cuidadoso para não criticar seus irmãos que vivem em contextos culturais diferentes de seu próprio.

Em viagem, os turistas adventistas devem fazer todo esforço no sentido de observar o sábado juntamente com seus irmãos daquela região.  Por respeito à santidade do sétimo dia, recomenda-se que os adventistas evitem usá-lo como dia livre para passeios turísticos e atividades seculares.

Igrejas e Instituições da Igreja

Ao estabelecer diretrizes e praxes específicas para a Igreja como um todo e para as instituições da Igreja, a organização está apresentando um exemplo da guarda do sábado para os membros em geral.  É responsabilidade dos membros a aplicação dos princípios da verdadeira observância do sábado à sua própria vida.  A Igreja pode ajudar, apresentando princípios sobre a guarda do sábado encontrados na Bíblia e no Espírito de Profecia, mas não pode ser consciência para os membros.

1) Igrejas – O Papel da Igreja  e da Família nas Atividades de Sábado à Tarde.  O pastor e os líderes da igreja local têm a responsabilidade de oferecer atividades sabáticas cuidadosamente planejadas para crianças, jovens, adultos e idosos, bem como para famílias e pessoas que vivem sozinhas, enfatizando a importância de tornar o sábado um dia de alegria, adoração e repouso.  As atividades da igreja devem complementar e não substituir as atividades da família e do lar.

2) Igrejas – Música de Sábado.  A música produz um impacto poderoso sobre a disposição de espírito e as emoções da pessoa.  Os líderes da igreja selecionarão a música e os músicos que realçarão a atmosfera reverente do repouso sabático e o relacionamento do adorador com Deus.  Os ensaios do coral no sábado devem ser evitados durante os horários de reuniões sabáticas regularmente programadas.

3) Igrejas – Penetração na Comunidade.  Embora os cristãos possam participar de certos tipos de obra social em favor dos estudantes, jovens e pobres nos subúrbios e favelas, devem tomar o cuidado de exercer uma influência exemplar de guarda coerente do sábado.  Quando envolvidos num curso de extensão ou especial para crianças e jovens, devem escolher assuntos e aulas que sejam diferentes das matérias seculares normais ou aulas da semana, e incluir atividades que contribuam para a cultura espiritual.  Passeios pela vizinhança ou junto à natureza podem substituir os recreios; caminhadas ou excursões junto à natureza que exijam apenas esforço mínimo podem substituir matérias ou aulas seculares.

4) Igreja – Recolta.  O procedimento geral da Igreja Adventista do Sétimo Dia é realizar a recolta em dia que não seja o sábado.  Nos lugares onde for costume recoltar no sábado, a atividade deve ser executada de modo a trazer benefícios espirituais a todos os participantes.

5) Igreja – Arrecadação de Fundos no Sábado.  A doutrina da mordomia cristã encontra-se em todas as Escrituras.  O ato de dar tem lugar definido nos cultos de adoração.  Quando se fazem apelos para ofertas, devem ser feitos de tal maneira que preservem a santidade do culto e do sábado.

6) Igrejas – Casamentos aos Sábados.  A cerimônia matrimonial é sagrada e, em si mesma, não estaria em desacordo com a guarda do sábado.  Contudo, a maioria dos casamentos envolve um considerável trabalho e quase inevitavelmente se cria uma atmosfera secular durante os preparativos e a recepção.  A fim de que não se perca o espírito do sábado, deve-se desaconselhar a realização de casamentos aos sábados.

7) Igrejas – Funerais aos Sábados.  Em geral, os adventistas devem tentar evitar os funerais aos sábados.  Em alguns climas e sob certas condições, entretanto, pode ser necessário realizar os funerais sem demora, apesar do dia de sábado.  Nesses casos, devem ser feitos arranjos antecipados com agentes funerários e funcionários do cemitério, para que realizem suas tarefas de rotina antes do dia de sábado, reduzindo assim o trabalho.  Em alguns casos a cerimônia fúnebre pode ser realizada, deixando-se o sepultamento propriamente dito para mais tarde.

8) Instituições Médicas Adventistas.  As instituições médicas adventistas constituem o único contato que muitas pessoas têm com a Igreja Adventista do Sétimo Dia. Os hospitais adventistas devem ser mais do que meramente sistemas de atendimento médico.  Têm eles a oportunidade única de dar um testemunho cristão 24 horas por dia junto às comunidades que servem.  Além disso, têm o privilégio de apresentar a mensagem do sábado pelo exemplo, cada semana.  Na cura dos enfermos e na libertação dos portadores de debilidades  físicas, mesmo no sábado, Cristo deixou um exemplo que consideramos a base para o estabelecimento e funcionamento das instituições médicas adventistas.  Portanto, uma instituição que ofereça atendimento médico ao público deve estar preparada para ministrar às necessidades dos enfermos e sofredores independentemente de horas ou dias.

Esse fato coloca uma grande responsabilidade sobre as instituições, no sentido de elaborarem e executarem regulamentos que reflitam o exemplo de Cristo e apliquem os princípios da observância do sábado encontrados nas escrituras e ensinados pela Igreja Adventista do Sétimo Dia.  Os administradores têm a responsabilidade especial de cuidar para que todos os departamentos mantenham o verdadeiro espírito da guarda do sábado, instituindo procedimentos apropriados e evitando a frouxidão na observância do sétimo dia.

Recomenda-se as seguintes aplicações dos princípios de observância do sábado:

a.   Oferecer atendimento médico de emergência sempre que necessário, com boa disposição, ânimo e alto nível de profissionalismo.  Entretanto, nem as instituições nem os médicos e dentistas adventistas devem oferecer os mesmos serviços de clínica ou consultório que oferecem nos outros dias da semana.

b.   Suspender todas as atividades rotineiras que podem ser adiadas.  Geralmente isso significa fechar completamente os departamentos e instalações que não tenham relação direta com o atendimento aos pacientes e manter um número mínimo de pessoas qualificadas em outros departamentos para tratar das emergências.

c.    Adiar serviços eletivos de diagnósticos e terapia.  O médico de plantão deve decidir o que é necessário ou casos de emergência.  Se ele abusar desse direito, os casos devem ser tratados pela administração do hospital.  Os funcionários da instituição que não trabalham na administração não devem envolver-se nas decisões, nem ser obrigados a enfrentar o(s) médico(s) de plantão.  Podem-se evitar mal-entendidos deixando claro em estatutos para a equipe médica que somente serão realizados procedimentos cirúrgicos, terapêuticos ou de diagnóstico que não possam ser adiados devido à condição do paciente.  Um entendimento claro com todos os que são designados para a equipe, no momento da admissão, fará muito para evitar mal-entendidos e abusos.

Cirurgias simples e opcionais devem ser desencorajadas ou limitadas às sextas-feiras.  Procedimentos assim planejados permitem ao paciente ficar no hospital durante o final de semana e assim perder menos dias de trabalho.  Entretanto, isso coloca o primeiro dia pós-operatório, normalmente o que necessita cuidado hospitalar mais intenso, no sábado.

d.   Fechar os escritórios administrativos para atendimento de rotina.  Embora possa ser necessário admitir ou dar alta a pacientes no sábado, recomenda-se que seja evitada a apresentação de contas e o recebimento de dinheiro.  Jamais deve a guarda do sábado ser motivo de irritação para aqueles que procuram servir e salvar, mas sim constituir o sinete dos “filhos da luz” (Efé. 5:8; Atos dos Apóstolos, p. 260).

e.    Fazer do sábado um dia deleitoso para os pacientes, provendo uma lembrança do testemunho cristão que jamais será esquecida.  A guarda significativa do sábado será conseguida muito mais facilmente em uma instituição que empregue uma equipe predominantemente adventista.  A apresentação do sábado sob um prisma favorável pode ser conseguida pelos obreiros encarregados do atendimento aos pacientes e pode constituir uma influência convincente na vida dos que não pertencem à nossa fé.

f.    O atendimento aos enfermos é uma atividade dos sete dias da semana.  A doença não conhece calendário.  Entretanto, ao escalar os funcionários, as instituições médicas devem tomar em consideração as crenças, observâncias e práticas sinceras dos empregados ou futuros empregados.  A instituição deve dar margem razoável a essas crenças religiosas, a menos que se demonstre que essa acomodação dificultará o funcionamento da instituição.  Também se reconhece que a consciência das pessoas varia em relação com a conveniência do trabalho aos sábados.  Nem a Igreja nem suas instituições podem atuar como consciência para seus empregados.  Em vez disso, deve-se dar margem razoável para a consciência individual.

g.   Resistência às pressões para afrouxar as normas adventistas.  Algumas instituições têm sido pressionadas por comunidades, equipes médicas e/ou empregados (quando a maioria se compõe de não-adventistas) no sentido de  abandonar ou enfraquecer os princípios quanto à guarda do sábado e suas práticas, de modo que o sábado seja tratado como qualquer outro dia.  Em alguns casos, tem-se feito pressão para manter os serviços no sábado, reduzindo-os então no domingo.  Essa atitude deve ser vigorosamente combatida.  A aquiescência levaria a um sério reexame do relacionamento dessa instituição com a Igreja.

h.    Instruir os empregados que não são adventistas quanto aos princípios de guarda do sábado praticados pela instituição.  Todos os não-adventistas, no momento da admissão em uma instituição médica adventista, devem tomar conhecimento dos princípios adventistas do sétimo dia, especialmente praxes institucionais relativas à observância do sábado.  Embora os não-adventistas possam não crer como nós, eles devem saber desde o início como se espera que se encaixem no programa da instituição para ajudá-la a atingir seus objetivos.

i.     Estimular uma atitude de contínuo testemunho cristão entre os empregados adventistas.  O único contato que muitos funcionários não-adventistas poderão ter com os adventistas do sétimo dia, será na instituição que os emprega.  Todos os relacionamentos devem ser cordiais, bondosos e representativos do amor exemplificado na vida e obra do Grande Médico.  A compaixão para com os enfermos, a abnegada consideração para com os semelhantes, a solícita disposição para servir e uma irrestrita lealdade para com Deus e a Igreja podem bem constituir um cheiro de vida para a vida.  A guarda do sábado é privilégio e honra, bem como dever.  Jamais deve tornar-se pesada ou tediosa para os que a observam ou para os que nos rodeiam.

9) O Trabalho aos Sábados em Hospitais Não-Adventistas.  Embora seja essencial nas instituições médicas que se realize constantemente um mínimo de trabalho para manter o bem-estar e conforto dos pacientes, os empregados adventistas em instituições não-adventistas onde as horas do sábado não trazem diminuição dos deveres rotineiros, encontram-se sob a obrigação de recordar os princípios que regem as atividades sabáticas.  Para evitar situações em que os membros da Igreja enfrentem problemas com a guarda do sábado em instituições não-adventistas, recomenda-se que:       

a. Quando os adventistas aceitam emprego num hospital não-adventista, tornem conhecidos seus princípios de guarda do sábado e solicitem um horário de trabalho que os isente dos deveres do dia de sábado.

b. Nos lugares onde os horários de trabalho ou outros fatores não permitam esse arranjo, os adventistas devem identificar claramente as tarefas, se houver alguma, que poderão realizar conscienciosamente no sábado, bem como sua frequência.

c. Nos casos em que não for possível acomodar-se aos arranjos acima, os membros devem tornar supremas as exigências de lealdade a Deus e abster-se de tarefas rotineiras.

10) Instituições Educacionais Adventistas.  As escolas adventistas de ensino médio com internato desempenham um papel importante na formação de hábitos de observância do sábado das futuras gerações de membros da Igreja, e os colégios e universidades adventistas fazem muito para moldar o pensamento do ministério e da classe profissional na Igreja.  É importante, portanto, que a teoria e a prática sobre como maximizar as deleitosas bênçãos do sábado se aproximem o máximo do ideal nessas instituições.

A aplicação desse princípio deve incluir:

a. Preparo adequado para o sábado.

b. Demarcação do início e final das horas sabáticas.

c. Atividades apropriadas para o lar e a escola: culto, grupos de oração, trabalho missionário, etc.

d.  Deveres necessários reduzidos ao mínimo.  De preferência, devem ser confiados a pessoas que os realizam como serviço voluntário e não as que recebem pagamento pelo mesmo trabalho durante a semana.

e.  Cultos inspiradores, de preferência seguindo com o modelo daquilo que se espera caracterizar os cultos nas igrejas das escolas.

f.   Atividades variadas e apropriadas para as tardes de sábado.

g.  Estruturação do programa semanal, de modo que o sábado represente uma alegria que permanece além do clímax da semana, em vez de ser um prelúdio para atividades contrastantes no sábado à noite.

1. Vendas no Refeitório.  Os refeitórios são destinados a servir os estudantes e os pais que os visitam, bem como os hóspedes autorizados; não devem ser abertos ao público aos sábados.  Para evitar transações desnecessárias durante as horas sagradas, a instituição deve tomar providências para que os pagamentos sejam feitos fora das horas do sábado.

2. Participação do Corpo Docente em Reuniões de Profissionais.  Em alguns países, os adventistas do sétimo dia têm o privilégio de assistir a encontros de profissionais a fim de manter-se a par do progresso em sua área de especialização.  Pode ser tentador justificar a assistência a essa reuniões no sábado.  Recomenda-se, entretanto, que o pessoal acadêmico participe do culto junto com os outros membros da Igreja em vez de unir-se aos colegas profissionais “a trabalho”.

3. Estações de Rádio.  As estações de rádio dos colégios podem ser uma bênção para a comunidade.  Para maximizar essas bênçãos, a programação durante as horas do sábado devem refletir a filosofia da Igreja.  Se durante os sábados forem feitos apelos quanto à arrecadação de fundos, eles devem ser feitos de tal maneira que exaltem a santidade do dia.

4. Viagens Promocionais. A fim de manter a natureza de reverência do dia de sábado, as viagens promocionais devem ser planejadas de forma que reduzam ao mínimo as viagens aos sábados, proporcionando o máximo de tempo para o culto com os irmãos.  As horas do sábado não devem ser usadas em viagem com o objetivo de que haja tempo livre para um programa no sábado à noite.

5. A Observância do Sábado na Educação para o Ministério.  Os pastores têm a grande responsabilidade de moldar a vida espiritual da Igreja por exemplo pessoal.  Portanto, as instituições que preparam os pastores e as esposas de pastores precisam ensinar seus alunos a formar uma nova filosofia de observância do sábado.  A devida orientação recebida na escola pode ser um instrumento na experiência de um genuíno reavivamento das alegrias do sábado em sua própria vida, bem como na vida de sua igreja.

6. Exames no Sábado.  Os adventistas do sétimo dia que enfrentam o caso de exames aos sábados em escolas não-adventistas ou que prestam exames para receber autorização por parte dos conselhos profissionais para o exercício da profissão, encontram problemas especiais.  Ao lidarem com essas situações, recomenda-se que façam arranjos com a administração para prestar os exames em horas que não sejam do sábado.  A Igreja deve incentivar os membros quanto à cuidadosa observância do sábado e, sempre que possível, interceder junto às autoridades competentes para que possibilitem a reverência para com o dia de Deus e o acesso aos exames.

Emprego e Comércio Secular Relacionado com o Sábado

1) Declaração de Princípio.  A visão bíblica do sábado inclui uma dimensão divina e humana (Mat. 12:7).  A partir da perspectiva divina, o sábado convida o crente a renovar seu compromisso com Deus, cessando o trabalho diário para adorar a Deus mais plena e livremente (Êxodo 20:8-11; 31:15-16; Isa. 58:13-14).  Na perspectiva humana, o sábado convoca o crente a comemorar o amor criador e redentor de Deus, revelando misericórdia e solicitude para com o próximo (Deut. 5:12-15; Mat. 12:12; Luc. 13:12; João 5:17).  O sábado, assim, abrange a cessação do trabalho secular com o propósito de amar a Deus e a realização de atos de amor e bondade para com os semelhantes.

2) Trabalho Essencial e de Emergência.  A fim de exaltar a santidade do sábado, os adventistas do sétimo dia devem fazer escolhas sábias na questão do emprego, guiados por uma consciência iluminada pelo Espírito Santo.  A experiência tem demonstrado que há riscos na escolha de vocações que não permitam a adoração do Criador no sábado, livre de envolvimento com o trabalho secular.  Isso significa que evitarão emprego que, embora essenciais para o funcionamento de uma sociedade tecnologicamente avançada, possam oferecer problemas quanto à observância do sábado.

As Escrituras e o Espírito de Profecia são explícitos quanto aos nossos deveres como cristãos para com os semelhantes, mesmo no dia de sábado.  No contexto moderno, muitos empregados em ocupações relacionadas com a salvação de vidas e propriedade são chamados a tratar de emergências.  Arranjar trabalho regular de fim de semana que requeira o uso das horas do sábado num emprego lucrativo de atendimento de emergência ou aceitar trabalho nos fins de semana em ocupações de emergência para aumentar a renda familiar, não se harmoniza com os princípios de observância do sábado apresentadas por Cristo.  Atender a situações de emergência que envolvam risco de vida e segurança é diferente de ganhar o sustento por envolver-se rotineiramente nessas ocupações durante o sábado, já que  frequentemente são acompanhadas por atividades comercias, seculares ou rotineiras.  (Ver os comentários de Cristo sobre o resgate de bois ou ovelhas caídos em valetas e sobre a ajuda de pessoa em necessidade.  Mat. 12:11; Luc. 13:16.)  Ausentar-se da casa de Deus e negar-se à comunhão com os outros membros nos sábados, pode exercer um efeito desanimador sobre a vida espiritual.

Muitos empregadores dessas assim chamadas áreas de serviços essenciais estão dispostos a fazer concessões aos guardadores do sábado.  Quando essas não forem feitas, os membros devem rever cuidadosamente os princípios bíblicos sobre a guarda do sábado e, sob essa luz, examinar o tipo de atividades, ambiente, exigências de trabalho e motivos pessoais antes de envolver-se no trabalho aos sábados.  Devem perguntar ao Senhor como o fez Paulo na estrada de Damasco: “Senhor, que queres que eu faça?” Quando prevalece essa atitude de fé, somos persuadidos de que o Senhor levará o crente a discernir Sua vontade e suprirá a força e sabedoria para segui-la.

3) Decisões Morais Relativas à Observância do Sábado.  Os privilégios sabáticos são algumas vezes negados ou restringidos por organizações militares, educacionais, políticas ou outras.  Para evitar e/ou reduzir essas  situações lamentáveis, devem-se considerar as seguintes sugestões:

Um administrador competente da Igreja, de preferência o diretor do Departamento de Deveres Cívicos e Liberdade Religiosa, deve ser designado para manter-se informado quanto a circunstâncias que poderiam minar a liberdade de culto aos sábados.  Quando necessário, esse oficial procurará as autoridades responsáveis para interceder no caso da possibilidade de um pacto adverso sobre os adventistas do sétimo dia com consequência de alguma legislação ou medida em perspectiva.  Essa linha de ação pode evitar a promulgação de leis que restrinjam ou neguem os privilégios sabáticos.

Os membros adventistas devem ser encorajados a defender pela fé o princípio da guarda do sábado independentemente das circunstâncias, descansando na certeza de que Deus honrará a lealdade para com ele.

Os membros da Igreja devem oferecer ajuda espiritual, moral e, se necessário, material, para outros que estejam passando por problemas  por causa do sábado.  Esse apoio servirá para fortalecer a dedicação ao Senhor, não só da pessoa que está enfrentando os problemas relativos ao sábado, mas da Igreja como um todo.

4) Compra de Bens e Serviços no Sábado.

a.  O sábado foi designado para prover liberdades e gozo espiritual para todas as pessoas (Êxodo 20:8-11). Como cristãos, devemos apoiar esse direito humano básico que o Criador concedeu a todos.  Como regra geral, comprar produtos, comer em restaurantes e pagar por serviços a serem prestados por terceiros são coisas que devem ser evitadas por estarem em desarmonia com o princípio e a prática da guarda do sábado.

b.  Além disso, as atividades comerciais mencionadas acima desviarão a mente da santidade do sábado.  (Ver Nee. 10:31; 13:15.)  Com o devido planejamento, pode-se tomar com antecedência medidas apropriadas referentes às necessidades previsíveis do sábado.

5) Viagens aos Sábado.  Embora possa ser necessária uma viagem no sábado em conexão com as atividades sabáticas, não se deve permitir que as viagens aos sábados se tornem um evento secular; portanto, os preparativos devem ser feitos com antecedência:  o combustível do veículo e outros elementos necessários devem ser providenciados antes do início do sábado.  Devem ser evitadas viagens em transportes comerciais para atender assuntos particulares ou de trabalho.

6) Como Tratar um Problema Específico de Trabalho.  Quando um membro da Igreja acha necessário renunciar a um trabalho ou perde seu emprego por causa de problemas de guarda do sábado e é admitido pela denominação numa atividade semelhante,  e quando o novo trabalho, por sua natureza, requer que o membro trabalhe no sábado, recomendam-se as seguintes sugestões:

a.  Dar-se-á ao membro uma cuidadosa explanação sobre a natureza essencial do trabalho.

b.  A organização deve fazer todos os esforços no sentido de certificar-se de que somente os aspectos essenciais do novo trabalho sejam executados no sábado.  Os administradores também devem explicar ao novo empregado os propósitos religiosos e objetivos básicos da organização empregadora.

c. Adotar-se-á um programa de rodízio para que o membro que conscienciosamente aceita esse trabalho aos sábados possa com frequência participar de uma comemoração mais completa do dia de sábado.

7) Trabalho em Turno.  Quando um adventista do sétimo dia trabalha onde existe um sistema de turnos, o empregador poderá solicitar-lhe que trabalhe no sábado ou em parte do sábado.  Nessas circunstâncias, encoraja-se o membro envolvido a considerar o seguinte:

a.   O membro deve esforçar-se por ser o melhor funcionário que puder, um empregado de valor a quem o empregador não se dê ao luxo de perder.

b.   Se surge um problema, o membro deve procurar resolvê-lo através de um entendimento direto com o empregador, solicitando-lhe um arranjo baseado em boa vontade e justiça.

c.   O membro deve ajudar o empregador sugerindo-lhe arranjos como:

1.   Trabalhar com horário flexível;

2.   Aceitar um turno indesejável;

3.   Trocar de turno com outro empregado;

4.   Trabalhar nos feriados.

d.  Se o empregador resiste à ideia de um arranjo, o membro deve imediatamente procurar a ajuda do pastor e do Departamento de Deveres Cívicos e Liberdade Religiosa nos países onde houver envolvimento nessas atividades.


A Comissão Executiva da Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia na sessão da Conferência Geral em Indianápolis, Indiana, em 9 de julho de 1990, votou a aceitação do documento acima sobre a observância do sábado.