Diretrizes sobre o Uso do Dízimo

Introdução

O plano de Deus para o sustento de Sua obra na Terra é através do dízimo e das ofertas voluntárias do Seu povo. O dízimo é a fonte principal de fundos para a proclamação total do Evangelho a todo o mundo pela Igreja Adventista do Sétimo Dia. Isto inclui um esforço evangelístico equilibrado e de vasto alcance ao público e a nutrição espiritual dos membros da Igreja. Sendo que o dízimo é reservado para um propósito especial, as ofertas voluntárias devem prover fundos para muitas funções da obra do Evangelho.

Princípios Concernentes à Utilização do Dízimo

1)  Somente organizações da Associação estão autorizadas a fazer distribuições dos fundos do dízimo. O dízimo é do Senhor e deve ser devolvido à casa do depósito, o tesouro da Associação, por intermédio da igreja local a que pertence o membro. “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na Minha casa, e depois fazei prova de Mim, diz o Senhor dos Exércitos, se Eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal, que dela vos advenha a maior abastança.” (Mal. 3:10).

“O dízimo é sagrado, reservado por Deus para Si mesmo. Tem de ser trazido ao Seu tesouro, para ser empregado em manter os obreiros evangélicos em seu labor.” (Obreiros Evangélicos, p. 226).

2)  As Associações e Uniões devem repartir o dízimo com a Igreja mundial.

“Mais e mais devemos chegar à percepção de que os meios que entram na Associação em dízimos e ofertas do nosso povo devem ser usados para o sustento da obra, não somente nas cidades americanas mas também nos campos estrangeiros. Que os meios tão zelosamente arrecadados sejam distribuídos altruisticamente. Aqueles que compreendem as necessidades dos campos missionários não serão tentados a usar o dízimo para aquilo que não é necessário.”(Manuscrito 11, 1908).

3)  A qualificação de um obreiro para sustento do dízimo deve ser determinada pela natureza da obra. Deste modo outros fatores inclusive as credenciais em curso não são os critérios definitivos para sustento do dízimo.

“O dízimo deve ir para aqueles que laboram na palavra e doutrina, sejam homens ou mulheres.”(Manuscrito 149, 1899).

4)  O dízimo deve ser usado somente para o sustento daqueles que estão empenhados na evangelismo e para o sustento dos ministérios.

“O dízimo deve ser usado para um único propósito, sustentar os ministros a quem o Senhor designou para fazer a Sua obra. Deve ser usado para o sustento daqueles que falam ao povo as palavras da vida e levam as responsabilidades do rebanho de Deus.” (Manuscrito 82, 1904).

5)  O funcionamento da igreja local é importante mas não deve ser sustentado pelo dízimo.

a.  “O dízimo deve ser usado para uma única finalidade, sustentar os ministros a quem o Senhor indicou para fazer a Sua obra. Deve ser usado para o sustento daqueles que falam ao povo as palavras da vida e levam as responsabilidades do rebanho de Deus.” (Manuscrito 82, 1904).

b.  “O dízimo não deve ser consumido em despesas eventuais. Isto faz parte do trabalho dos membros da Igreja. Eles devem sustentar sua igreja com seus dons e ofertas.” (Carta 81, 1897).

Praxes Concernentes ao Uso do Dízimo: Funções para as Quais o Dízimo Pode Ser Usado

1)  O sustento dos evangelistas, pastores e instrutores bíblicos.

2)  O sustento do pessoal que provê liderança e serviços administrativos para os esforços evangelísticos e o sustento dos ministérios da Igreja. Estes incluem oficiais da Associação, diretores departamentais, contadores, funcionários e secretárias de escritório.

3)  As despesas que são necessárias para sustentar o programa evangelístico total e o sustento dos ministérios da Igreja, tais como:

a.  Despesas com evangelismo.

b.  Despesas operacionais do escritório da Associação.

c.  Equipamento evangelístico e do escritório da Associação.

d.  Despesas operacionais dos locais de acampamento e reuniões campais.

4)  O sustento das funções que são consideradas essenciais aos programas evangelísticos e o sustento dos ministérios da Igreja.

a.  Escolas primárias – Distribuições de até 30 por cento dos salários e despesas totais dos diretores e professores primários em reconhecimento de sua função como líderes espirituais.

b.  Escolas secundárias – O equivalente do sustento total dos professores de Bíblia de escolas secundárias, preceptores de dormitórios de alunos e diretores.

c.  Colégios/Universidades – Uma soma igual ao custo total dos departamentos de Bíblia dos colégios e universidades, preceptores de dormitórios de alunos, os diretores e reitores de alunos.

d.  Colportores evangelistas – Distribuição da Associação em lucros ou benefícios aos colportores evangelistas.

e.  Centros/Acampamentos da Associação – Distribuição para as despesas operacionais dos centros/acampamentos da juventude pertencentes à Associação.

f.   Programas da mídia – A produção de impressos, rádio e televisão.

g.  Aposentados – Os benefícios da aposentadoria dos empregados denominacionais (excetuando-se aqueles que são providos de outra forma; ex.: os empregados das instituições de saúde).

Praxes Concernentes ao Uso do Dízimo: Funções para as Quais o Dízimo Não Será Usado

1)  Manutenção da igreja local e outras despesas operacionais. Estas devem ser custeadas pelas ofertas dos membros.

2)  Manutenção de escolas primárias e outras despesas operacionais. Estas devem ser custeadas das taxas escolares e/ou subsídios da Igreja.

3)  Manutenção e despesas operacionais de escolas secundárias e de ensino superior. Estas devem ser custeadas pelas taxas escolares e outras rendas institucionais.

4)  Projetos de construção da igreja, da Associação ou institucionais. Estes devem ser custeados pelos membros e/ou outras fontes alheias ao dízimo.

Declaração de Posição ou Ponto de Vista Quanto à Administração dos Fundos do Dízimo

1)  O Papel da Família da Igreja no Tocante à Administração dos Fundos do Dízimo. A Igreja mundial é a família de Deus na Terra. Cada membro, como uma parte desta família, goza dos privilégios e leva as responsabilidades quanto às normas que são determinadas para a arrecadação e distribuição dos fundos do dízimo. A família agindo coletivamente através da sessão da Associação Geral e do Concílio Anual da Comissão da Associação Geral determina a praxe, em harmonia com os princípios das Escrituras e do Espírito de Profecia, para o recolhimento, desembolso e administração dos fundos do dízimo. Esta declaração é  produto de muita consulta com uma variedade de pessoas de dentro da Igreja – leigos, pastores, administradores de Associações e líderes mundiais. Como membros da família, cada indivíduo, instituição ou organização respeitará a honra da família atuando de acordo com estas diretrizes a fim de prover um sistema de apoio financeiro regular, fidedigno e sempre crescente para a proclamação do Evangelho a todo o mundo.

2)  A “Casa do Tesouro” ou “Tesouro” da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Segundo as Escrituras, o dízimo é do Senhor e deve ser trazido à Sua casa como ato de adoração. A Igreja Adventista do Sétimo Dia realiza isto enviando o dízimo ao tesouro da Associação por intermédio da igreja a que o indivíduo pertence. Em circunstâncias incomuns, os membros da igreja devem consultar-se com os oficiais de sua Associação ou Missão local. O seguimento de qualquer outro plano causa confusão e competição e debilita a estrutura financeira da Igreja, enfraquecendo assim a capacidade da Igreja de cumprir sua missão mundial. A fim de continuar um forte e equilibrado programa da Igreja ao redor do mundo, os membros não devem dirigir o dízimo do Senhor para projetos de sua própria escolha.

3)  Caminhos Alternativos para a “Casa do Tesouro”.

a.  O Senhor promete bênçãos sem medida àqueles que restituem um dízimo fiel à casa do tesouro. A família da Igreja Adventista do Sétimo Dia tem determinado que o caminho normal para a casa do tesouro é através da Associação/Missão local.

b.  Se membros, por razão de confidência, preferirem enviar uma parte do dízimo para a Associação Geral ou para sua União-Associação, aqueles oficiais podem aceitar tal dízimo, mas o enviará sem o nome da pessoa à Associação a que ela pertence para distribuição à Igreja mundial. Tais pessoas devem ser animadas a dar andamento ao dízimo através dos canais regulares.

4)  Partilha do Dízimo.

a.  O plano de partilha do dízimo é uma maneira equilibrada de distribuir equivalentemente com a Igreja mundial os recursos financeiros. Este plano é básico e essencial ao sistema de apoio financeiro à obra mundial da Igreja Adventista do Sétimo Dia.

b.  As igrejas, Associações, Uniões-Associações, a Associação Geral e as Divisões da Associação Geral não aceitarão dízimos de membros que seguem uso contrário às percentagens habituais que são partilhadas com os vários níveis da organização da Igreja.

c.  A igreja local está autorizada somente a aceitar e encaminhar os fundos totais do dízimo ao tesouro de sua Associação/Missão local.

5)  Solicitação do Dízimo. Os pastores e administradores da Associação e da Missão não solicitarão fundos do dízimo de membros de outras Associações ou Divisões. A Igreja tem feito provisão para o nivelamento dos recursos financeiros.

6)  Dízimo para Instituições. Organizações denominacionais tais como Christian Record Braille Foundation, A Voz da Profecia, Fé para Hoje, Está Escrito, Pão da Vida não devem aceitar fundos que sabem ser o dízimo de adventistas do sétimo dia. Quando membros enviam dízimo a uma organização denominacional, têm a responsabilidade de indicar que isto é dízimo.

7)  Dízimo de Membros que se Transferem. Os membros que se mudam para uma nova localidade são estimulados a transferir sua condição de membro dentro de seis meses e começar a apoiar sua nova igreja e Associação onde estão recebendo alimento espiritual, assistência pastoral e serviços da Associação.

8)  Empréstimo de Dízimo. Igrejas, escolas (dízimo de alunos), Associações e indivíduos não “emprestarão” dos fundos do dízimo para cuidar das necessidades da igreja, Associação ou necessidades individuais. Os fundos do dízimo serão retidos somente até à data de sua remessa regular.

9)  Não-Aceitação do Dízimo. Se, de acordo com essas praxes, surgir uma situação em que não é permissível a uma organização a aceitação dos fundos do dízimo, serão feitos esforços para se obter autorização do membro para encaminhar o dízimo para os canais regulares. Se tal autorização não for obtida, o dízimo será devolvido com uma explicação apropriada e um apelo à pessoa para que participe do plano da igreja de partilhar o dízimo do Senhor com a Igreja mundial.

10) Não-Devolução do Dízimo. O dízimo que foi aceito e pelo qual se passou recibo não será devolvido às pessoas que por motivos variados possam solicitá-lo.

11) Responsabilidade da Liderança. A direção da Igreja em todos os níveis é um encargo sagrado. A falha ou recusa de cooperar com as praxes combinadas da família da Igreja concernentes à administração do dízimo desgasta a capacidade da Igreja de cumprir sua missão mundial. As pessoas que desconsideram estas praxes desqualificam-se para a liderança da Igreja.

NOTA: As praxes precedentes não se aplicam às ofertas. Os membros tomam a decisão quanto  ao destino de suas ofertas.


Estas diretrizes foram adotadas e votadas pela Comissão Executiva da Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia na sessão do Concílio Anual em Washington, DC, em 14 de outubro de 1985.