O Dízimo nos Escritos de
Ellen G. White

Angel Manuel Rodriguez
Diretor Associado
Instituto de Pesquisa Bíblica
Associação Geral

 Silver Spring, MD
Abril de 2001

 Tradução de Naor G. Conrado

Conteúdo

I. Introdução

II. Fundamento Teológico

  • A. Conceitos Teológicos Gerais
  • B. Conceitos Teológicos Específicos e o Dízimo.

1. Origem e Perpetuidade: O Caráter Benigno da Lei

2. O Pecado, Deus, o Dízimo e a Interação Divino-humana

  • C.  A Natureza do Dízimo
  • D. Conclusão

III. A Motivação Para Dar o Dízimo

  • A. A Qualidade da Vida Espiritual e o Dízimo
  • B. A Motivação Para Dar o Dízimo
  • C. Retendo o Dízimo
  • D. Conclusão

IV. A Logística do Dízimo

  • A. Ensinando o Sistema Dizimal
  • B. Arrecadando o Dízimo
  • C. Fontes Que São Dizimáveis
  • D. Conclusão

V. Usos do Dízimo

  • A. Determinando o Uso
  • B. Uso Específico do Dízimo
  • C. Uso Excepcional do Dízimo
  • D. Uso Incorreto do Dízimo
  • E. Conclusão

VI. Uso Pessoal do Dízimo de Ellen G. White

VII. O Segundo Dízimo

VIII. Conclusão Geral

I. Introdução

Este artigo examinará o conceito, a prática e o fundamento teológico para o ato de dizimar nos escritos de Ellen G. White. Pormenores históricos farão parte da argumentação quando for necessário, mas o enfoque principal estará nos níveis conceituais e pragmáticos. Seus escritos denotam desenvolvimento na compreensão do assunto do dízimo, mas quase nenhuma modificação significativa em seus pontos de vista.1 Não encontramos uma teologia explícita do dízimo, elaborada de modo sistemático, e sim conceitos que ela relaciona com ele e que nos servem de janela para investigar os aspectos teológicos que moldaram os seus pontos de vista e os conselhos que ela deu à Igreja. É óbvio que os materiais bíblicos que tratam da importância e do uso do dízimo exerceram a principal influência sobre a sua compreensão do dízimo.

II. Fundamento Teológico

Examinar o fundamento teológico para o dízimo nos escritos de Ellen G. White requer que seja identificada a conexão histórica e conceptual entre a própria pessoa de Deus e o dízimo e o tipo de relação que o ato de dizimar pressupõe entre Deus e o indivíduo. Precisamos encontrar respostas para estas perguntas: Quem é o Deus que requer o dízimo dos seres humanos e com base em que razões Ele o reivindica? Qual é a natureza do dízimo? Qual é o significado do dízimo para a qualidade do relacionamento entre Deus e a pessoa?

A. Conceitos Teológicos Gerais

No contexto de suas considerações sobre o dízimo, há diversos lugares em que Ellen G. White se refere a Deus como Criador.2 Ao usar esse título para Deus, sua intenção não é estimular especulações teológicas a respeito de Sua natureza ou sobre o mistério de Seus atos e poderes criativos, mas estabelecer ou definir claramente a relação entre Deus e o Universo. Quanto ao Universo, Ele, como Criador, é o seu proprietário e pode declarar autorizadamente: “Eu sou o dono do Universo.”3 O Criador não abandonou o mundo criado por Ele, deixando-o sob o controle dos seres humanos ou dos poderes do mal; Ele é o Senhor. Divino domínio universal só pode ser, devidamente, reivindicado por Ele. Essa convicção teológica específica irá determinar a maneira pela qual Ellen G. White compreende a função dos seres humanos para com Deus e tudo o mais da criação.

O direito de propriedade do Universo, da parte de Deus, revela Seu poder sobre tudo que Ele criou, mas não determina necessariamente a natureza desse poder. Simplesmente confirma que Ele tem o direito de ser o Senhor sobre Sua criação e que “tem direito sobre nós e tudo o que temos”4. Por isso, Ellen G. White apresenta outro aspecto do caráter de Deus que atua como fundamento teológico para o dízimo, a saber, Seu amor e bondade. É em virtude da Sua “bondade e amor” que Ele nos tem livrado de “terríveis desgraças e morte”.5 Para ela, a própria essência do Proprietário do Universo não é o egoísmo, mas amor e bondade que se manifestam na preservação da vida. No âmago desse amor está a constante disposição de Deus para dar. Não há nada do que temos que não encontre sua fonte ou origem em Deus. Ela parece argumentar, porém, que a maior dádiva que recebemos dEle, não é algo que Deus criou e agora partilha alegremente conosco. Na obra redentiva de Cristo em nosso favor, Deus deu-Se a Si mesmo em Seu Filho. Ela pôde dizer, então, que “para essa obra de redenção, Deus deu o mais precioso Dom do Céu”.6 O direito de propriedade da parte de Deus baseia-se, agora, em um amoroso ato de abnegação que resulta em redenção. Fomos “comprados por preço” e somos, portanto, “a propriedade do Senhor”.7 Pertencemos-Lhe não apenas em virtude do Seu poder criador, mas especialmente devido ao poder de abnegado e redentivo amor. Todas as outras dádivas a nós concedidas só se tornam possíveis em virtude e por meio desse desprendimento divino.8 Por isso, o Doador está presente em toda dádiva que recebemos dEle. Na verdade, Ele nos tem “dado tudo. Ao nos assentarmos à nossa mesa, é Ele quem nos dá esta provisão; ela nos advém por meio de Cristo. A chuva, a luz do Sol, o orvalho e tudo que constitui uma bênção para nós, é Ele quem nos dá.”9 Com efeito, “Ele nos dá com abundância.”10 O Proprietário do Universo é, para Ellen G. White, um “benfazejo Pai”.11

Nos escritos de Ellen G. White, o ato de dar o dízimo é relacionado com dois dos principais aspectos da misteriosa pessoa de Deus: Seu poder criador e Sua natureza de amor. O primeiro denota que Ele é o Proprietário do Universo; o segundo aponta para Sua obra redentora por meio do abnegado sacrifício de Cristo. Como veremos mais adiante, estes aspectos são usados tanto para defender Sua reivindicação do dízimo, como para incentivar os seres humanos a aceitarem essa reivindicação divina. Estes importantes postulados teológicos determinam e modelam toda a teologia da mordomia nos escritos da Sra. White e a função do dízimo dentro deles.

B. Conceitos Teológicos Específicos e o Dízimo.

Os conceitos da propriedade divina e do amor redentor provêem uma estrutura conceptual de referência geral para o dízimo, bem como para qualquer outro aspecto da vida cristã. O que desejamos examinar agora é a razão da natureza específica e particularidade da lei do dízimo nos escritos de Ellen G. White, o fundamento teológico mais restrito em que se baseia o próprio sistema do dízimo. Trataremos aqui da legitimidade do dízimo; de sua justificativa, caráter normativo e perpetuidade mais pormenorizados. Ela não diz muita coisa sobre este assunto, mas o pouco que diz é significativo para o nosso propósito. A teologia do dízimo em Ellen G. White está diretamente relacionada com a origem da noção e prática do dízimo e suas funções específicas. Para ela, o fato de que o ato de dizimar pode ser delineado até à benévola vontade de Deus é de grande importância conceptual e prática.

1. Origem e Perpetuidade: O Caráter Benigno da Lei

Não há, nos escritos de Ellen G. White, nenhuma tentativa sistemática para demonstrar pelas Escrituras que o dízimo ainda é obrigatório aos cristãos. Encontramos, porém, diversos argumentos bíblicos usados para demonstrar a perpetuidade desse sistema. Com efeito, suas considerações sobre a origem e a perpetuidade do dízimo têm uma função teológica que enriquece a compreensão que ela tem a esse respeito. De acordo com a Bíblia, as histórias dos patriarcas no livro de Gênesis revelam que o ato de dizimar era praticado antes da formação da teocracia durante o tempo de Moisés. Abraão (Gên. 14:20) e Jacó (28:22) já o praticavam. Essa informação bíblica é usada para por Ellen G. White para afirmar que “desde os primitivos tempos o Senhor reivindicava como Seu o dízimo” e que, portanto, o sistema não se originou com os hebreus”.12 No Sinai, a lei do dízimo foi simplesmente “confirmada” no contexto da aliança que Deus fez com Israel.13 Mas, com discernimento profético, ela vai além do que é claramente indicado nas Escrituras, a fim de revelar a verdadeira origem do dízimo. Ela contesta implicitamente que essa prática foi instituída por seres humanos, como resultado de modificações sociais, religiosas ou financeiras que pudessem ter ocorrido no mundo do antigo Oriente Próximo. Ela situa a origem da idéia e prática no próprio Deus. “O sistema do dízimo foi ordenado” por Ele;14 “é divino em sua origem”.15 O ajuste peculiar de devolver o dízimo a Deus “foi estabelecido pelo próprio Cristo”16 e remonta, segundo ela parece afirmar, “aos dias de Adão”,17 provavelmente após a queda. Assim como o casamento,18 o sábado19  e o sistema sacrifical, 20 o dízimo é por ela removido do âmbito do espírito inventivo e da criatividade humana, e colocado no âmbito da mente divina. Por si mesma, nenhuma explicação sociológica pode esclarecer devidamente a origem do dízimo. Isso, para ela, aponta à natureza singular e à perpetuidade da lei do dízimo, e também à benévola vontade de Deus nela expressa.

A natureza permanente dessa lei foi defendida por Jesus, o qual, de acordo com Ellen G. White, “reconheceu como dever o dar o dízimo”.21  Depois de citar Mateus 23:23, onde Cristo condenou a escrupulosidade com que os fariseus davam o dízimo, até mesmo de coisas não requeridas pela lei, ela comenta: “Nessas palavras Cristo torna a condenar o abuso das obrigações sagradas. Não põe de lado a própria obrigação.”22 Portanto, o ato de dar o dízimo “não foi rejeitado ou afrouxado por Aquele que lhe deu origem”.23 O fato de que sua origem precedeu a entrega da lei no Sinai denota que o dízimo não deve ser identificado com a lei cerimonial. Ele “não deveria caducar com as ordenanças e ofertas sacrificais que tipificavam a Cristo”.24 Em outras partes do Novo Testamento, dar o dízimo, assim como a observância do Sábado, é considerado um dever cristão,25 e ainda é tão “obrigatório ao povo de Deus, nestes últimos dias, como era para o antigo Israel”.26

Afigura-se que, pouco depois da queda de Adão e Eva, a noção e prática do dízimo foi instituída pelo próprio Deus. Ellen G. White cita estas Suas palavras dirigidas a nós: “Quando Eu vos confiei os Meus bens, especifiquei que uma parte deveria ser vossa, para suprir as vossas necessidades, e uma parte deveria retornar a Mim.”27 Isso pode muito bem ser uma repetição do que Deus disse para o primeiro casal. A dedução óbvia é que desde os albores da história humana, fora do Jardim do Éden, o dízimo foi instituído por Deus com base em Sua autoridade como Criador e Redentor. A lei era uma expressão de Sua vontade para nós, e devia ser obedecida. No entanto, para Ellen G. White, a lei não foi arbitrariamente imposta aos seres humanos por um Senhor todo-poderoso. A vontade de Deus nunca é estabelecida arbitrariamente, pois sempre visa ao bem de Suas criaturas.28 Por conseguinte, o sistema dizimal29 é uma expressão da benévola vontade de Deus para a raça humana, visto que Ele a originou “para ser uma bênção ao homem”.30 Qual era o bem que essa lei especial procurava produzir? Como a amorosa solicitude de Deus pelos seres humanos é expressa por seu intermédio?

2. O Pecado, Deus, o Dízimo e a Interação Divino-Humana

Respondendo a essa pergunta, Ellen G. White nos conduz aos efeitos imediatos e diretos do pecado sobre a raça humana. Com a entrada do pecado no mundo, um novo poder, de natureza perversa, passou a reivindicar o domínio sobre o gênero humano. “Um demônio tornou-se o poder central no mundo. Onde devia estar o trono de Deus, colocou Satanás o seu trono.”31 Deus abriu um caminho para os seres humanos retornarem a Ele pela obra salvífica de Cristo, possibilitando que todos sejam reintegrados como Seus mordomos: “Foi então que o grande amor de Deus manifestou-se a nós num só Dom, o de Seu querido Filho.”32 Contudo, a natureza humana se corrompera e reivindicava auto-suficiência e independência de Deus. “Um elemento discordante, oriundo do egoísmo, penetrou na vida humana. A vontade do homem e a vontade de Deus não estavam mais em harmonia. Adão unira-se às forças desleais e a obstinação pôs-se em campo.”33 É no contexto dessa tragédia extremamente perturbadora que, por razões muito específicas, o sistema de dízimos e ofertas foi instituído por Deus.

a) Dar o Dízimo Como Reconhecimento da Soberania de Deus: O desígnio de Deus, por meio do dízimo, era “convencer o homem de que Deus é o Doador de todas as suas bênçãos.”34 Isso agora era necessário num mundo em que havia um conflito entre senhores, quanto à lealdade dos seres humanos. Por meio do dízimo, as pessoas deveriam ser lembradas da bondade de Deus para com elas, e reconhecê-la, a fim de que mantivessem bem nítido na memória o fato de que Deus era o legítimo Senhor de sua vida. Por meio das muitas bênçãos que Ele vertia constantemente sobre a raça humana, Deus procurava “atrair os homens para Si”,35 com a intenção de não somente salvá-los, mas também de ser reconhecido como o seu Senhor. Dar o dízimo denota que os seres humanos só podem encontrar o verdadeiro centro de sua vida em Deus, num espírito de voluntária e grata submissão a Ele. Mediante o sistema do dízimo, Deus estava Se revelando a eles como seu Senhor.

b) Dar o Dízimo Como Testemunho do Poder de Deus Para Preservar a Vida: Em estreita relação com os comentários anteriores, Ellen G. White declara que dar o dízimo é um “testemunho [da parte dos seres humanos] de que reconhecem sua dependência de Deus.”36 A compreensão de que a vida humana e sua preservação dependem diretamente de Deus, e não de algum outro poder, era uma resposta direta à falsa promessa de Satanás a Adão e Eva, de que a realização pessoal só seria possível na total independência de Deus. Ellen G. White parece estar dizendo que a rejeição dessa mentira é expressa concretamente no ato de dar o dízimo. No tocante aos cristãos em particular, ela comenta que, por serem participantes da graça de Deus mediante a obra da salvação em Cristo, deveriam demonstrar seu apreço por essa dádiva, dando um dízimo fiel.37 O dízimo foi instituído por Deus para ensinar-nos a confiar nEle, para a preservação de nossa vida, e não em nós mesmos ou em algum outro poder.

c) O Ato de Dizimar e a Restauração da dignidade Humana Diante de Deus: Por meio do dízimo, Deus estava tornando os seres humanos cientes do fato de que Ele lhes confiava novamente a responsabilidade de serem mordomos de Seus bens. Ao trazermos o nosso dízimo, Ellen G. White comenta, estamos “declarando que Deus é o possuidor de todos os nossos bens e que nos tornou mordomos a fim de usá-los para Sua glória.”38 Ela está enfatizando aqui o grandioso privilégio que Deus nos concedeu ao escolher-nos como Seus mordomos. Ele estava chamando os seres humanos de volta a um relacionamento pessoal consigo, com todos os privilégios e responsabilidades que tal relação envolvia. O propósito desse relacionamento era trazer glória a Deus, e não a seres humanos. De acordo com ela, a alternativa para usar o dízimo e tudo que temos para a glória de Deus, é a “condescendência egoísta.”39 uma horrenda e pecaminosa distorção do Seu amoroso desígnio para nós.

d) O Ato de Dar o Dízimo Como Instrumento no Desenvolvimento do Caráter: O sistema do dízimo foi instituído por Deus como “um ensino adaptado a extirpar toda a estreiteza egoísta e cultivar largueza e nobreza de caráter.”40 Inquestionavelmente, diz Ellen G. White, “o egoísmo constitui a base do pecado”,41 e Deus está nos ajudando constantemente, numa grande variedade de maneiras, a vencê-lo em nossa vida. Um dos meios usados por Ele é a prática de Lhe devolvermos nossos dízimos e ofertas. Fazendo isto, não retemos egoisticamente para nós  mesmos o que o Senhor nos provê em Sua amorosa bondade, mas nos tornamos condutos de Suas bênçãos para os outros.42 O desígnio de Deus para nós é que “sejamos Sua mão auxiliadora para abençoar a outros”.43

Ellen G. White atribui o dízimo diretamente à vontade de Deus, o qual originou essa idéia e prática pouco depois da queda de Adão e Eva. O Cristo pré-encarnado estabeleceu este sistema, e durante o Seu ministério na Terra confirmou-o como expressão da vontade divina para os seres humanos. De acordo com ela, esta conexão entre o dízimo e a vontade de Deus aponta não somente para a perpetuidade do próprio dízimo, mas especialmente para o fato de que ele foi instituído como expressão do amor de Deus para benefício da raça humana depois da queda. Tornou-se um instrumento didático nas mãos de Deus para manter bem nítida na mente dos seres humanos a importante verdade de que, a despeito da presença do pecado e dos poderes do mal, neste planeta, Ele é quem nos abençoa e tem o direito de ser o nosso Senhor. Ellen G. White parece dizer que o sistema do dízimo foi instituído por Deus a fim de ajudar-nos a compreender que a preservação de nossa vida depende totalmente da benévola e salvífica bondade de Deus para nós, e não da satânica alegação de absoluta autonomia dEle. Dar o dízimo também  contribui para o desenvolvimento de nosso caráter e auto-imagem. Ellen G. White argumenta vigorosamente que, pelo poder de Deus, o sistema do dízimo procura destruir a hegemonia do egoísmo em nossa natureza pecaminosa, auxiliando-nos a desenvolver nobreza de caráter. Instituindo este sistema, Deus estava confirmando permanentemente nossa designação como despenseiros de Seus bens neste planeta e, por conseguinte, reintegrando-nos num relacionamento pessoal com Ele como proprietário de tudo. O pecado não seria capaz de separar-nos permanentemente de Deus.

C. A Natureza do Dízimo

Ellen G. White não redefine o conceito bíblico da natureza do dízimo, mas o reafirma e desenvolve, esclarecendo algumas de suas implicações. A declaração bíblica a respeito da natureza do dízimo — “santo é ao Senhor” (Lev. 27:30) — é muitas vezes repetida por Ellen G. White.44 Ela usa o sábado para ilustrar a natureza do dízimo: “Pois, como o sábado, um décimo da renda é sagrado.”45 Menciona também: “Usa-se a mesma linguagem quanto ao sábado que se usa na lei do dízimo: `O sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus.” … De igual maneira, o dízimo de nossas rendas `santo é ao Senhor’.”46 A clara inferência é que “Deus reservou para Si uma porção especificada do tempo do homem e de seus meios.”47 Foi esse ato divino que transformou uma fração de tempo e uma parte de nossos meios em elementos sagrados; eles tornaram-se propriedade exclusiva de Deus. O dízimo é, em realidade, segundo ela declara, “a parte de Deus, e de modo algum a propriedade do homem.”48 O dízimo Lhe pertence de um modo peculiar e único, que o distingue do Seu domínio sobre o Universo.

Visto que o dízimo é sagrado e santo, não foi colocado sob o controle humano, mas sob o controle divino. Diante da santidade do dízimo, e afim de demonstrar respeito pelo que é sagrado, os seres humanos devem perguntar: “Que devo fazer com ele?” A resposta dada por Ellen G. White é concisa e objetiva: Para conservá-lo santo precisamos devolvê-lo a Deus. Ela encontra apoio para essa posição na ordem de Deus registrada em Malaquias 3:10: “Trazei todos os dízimos à casa do tesouro.” Ela observa, com muita perspicácia, que na ordem divina “não se apela para gratidão ou generosidade”,49 o que quer dizer que o Senhor não está apelando para a gratidão ou generosidade das pessoas para incentivá-las a trazer o dízimo. Para ela, o fator determinante no ato de dar o dízimo não é a gratidão ou a generosidade, mas algo mais sério e significativo baseado na natureza sagrada do dízimo. Ela declara inequivocamente: “É uma questão de simples honestidade. O dízimo é do Senhor; e Ele nos ordena que Lhe devolvamos aquilo que é Seu.”50 Ela ergueu o dízimo do âmbito de uma prática cerimonial ou cultural para o nível de uma responsabilidade moral que não deve ser controlada pelo estado das emoções ou tendências humanas, e sim pelo inabalável princípio e valor da honestidade.51

O dízimo recebido de todos os membros da Igreja, inclusive pastores e obreiros,52 é considerado por Ellen G. White como “um fundo sagrado”.53 Isto tem algumas implicações importantes para os que lidam com ele depois de ter sido entregue pelos membros da Igreja. No nível da igreja local, a natureza sagrada do dízimo é reconhecida quando ele é remetido para a tesouraria de Deus. Nem mesmo o pastor local tem autoridade para colocar a mão no dízimo. Ellen G. White acrescenta que os pastores não devem apoiar nenhum plano, presumivelmente de membros da igreja local, para desviar o dízimo a algum uso ilegítimo, mas preservar-lhe a natureza sagrada colocando-o na tesouraria de Deus.54

Falando a administradores de igrejas, ela declarou: “O dinheiro do dízimo deve ser mantido como sagrado.”55 Transferir o dízimo da igreja local para as organizações superiores não altera a sua natureza; ele continua sendo santo. E os que administram o dízimo têm a responsabilidade de preservar-lhe a natureza sagrada. Como podem fazer isso? De acordo com ela, o dinheiro do dízimo é “um fundo consagrado a um propósito sagrado56 por Deus mesmo,57  e enquanto os administradores o usarem de acordo com esse propósito sagrado, ele é mantido como tal.58 Parece, portanto, que a natureza sagrada do dízimo não está simplesmente relacionada com o fato de pertencer a Deus, nem é somente determinada por isso. Sua santidade se acha ligada ao propósito que Deus lhe atribuiu. De acordo com Ellen G. White, não existe tal coisa como dízimo sagrado no sentido abstrato; sua natureza e função, obviamente, são inseparáveis. É somente o uso impróprio do dízimo que tende a profaná-lo, e não, por exemplo, a pasta ou bolsa usada para transportá-lo, ou tocá-lo com mãos por lavar. Esta compreensão da natureza do dízimo como santo no sentido de que pertence exclusivamente a Deus, para o propósito especial que Ele lhe designou, desempenha uma parte muito importante no que Ellen G. White tem a dizer sobre o sistema do dízimo em seus escritos.

D. Conclusão

A teologia implícita do dízimo, presente nos escritos de Ellen G. White, se baseia em diversos conceitos teológicos importantes, que determinarão os aspectos mais pragmáticos do sistema dizimal. Ele se fundamenta primeiro no conceito de Deus que, como Criador, é o proprietário do Universo e de tudo quanto se encontra nele. Em segundo lugar, esta dimensão de Deus é acompanhada por outra, que descreve a natureza deste poderoso Deus, sob o aspecto de Seu amor e bondade para com Suas criaturas. Ele preserva e sustenta a todas elas, em virtude de Sua disposição amorosa para dar não somente do que criou, mas também de Sua própria Pessoa. Isto é especialmente assim na salvação que Ele provê para os seres humanos, por meio da obra de Cristo.

Em terceiro lugar, o sistema do dízimo é uma expressão da benévola vontade de Deus para com os pecaminosos seres humanos a quem está procurando restaurar a perfeito companheirismo com Ele, e libertar da destrutiva incursão do pecado em sua existência. Isto é indicado: a) pelo fato de que o dízimo foi instituído pelo próprio Deus, pouco depois da queda de Adão e Eva, e confirmado por Cristo durante o Seu ministério terrestre. É em virtude da boa qualidade dessa lei como expressão da vontade de Deus, que ela ainda deve ser observada; b) tem sido usada por Deus para ajudar-nos a reconhecer que Ele é o nosso Senhor, que dependemos dEle para nossa existência, e não de algum outro poder, e que Deus quer que preservemos Seu relacionamento conosco ao reintegrar-nos na função de mordomos de Sua bondade e bênçãos. Mediante a expressão da benévola vontade de Deus para nós, no sistema do dízimo, Ele também está procurando libertar-nos do escravizante poder do egoísmo. O sistema do dízimo é fundamentalmente uma expressão da amorosa natureza de Deus para com os pecaminosos seres humanos.

III. A Motivação Para Dar o Dízimo

Ao tratar da motivação cristã para trazer o dízimo ao Senhor, Ellen G. White torna claro que dar o dízimo é essencialmente uma resposta à soberania e aos atos salvíficos de Deus em nosso favor, e não o meio pelo qual obtemos Sua aceitação. Não há vestígios de uma abordagem legalista do assunto do dízimo, no que ela tem a dizer sobre ele. Isto é significativo porque, a apesar do fato de grande parte do que escreveu sobre o assunto ter o objetivo de  incentivar os membros da Igreja a devolverem o dízimo ao Senhor, ela permaneceu claramente concentrada na função teologicamente correta do dízimo na vida cristã. Há diversas maneiras pelas quais aborda o assunto da motivação, a começar com a qualidade  da vida espiritual do crente.

A. A Qualidade da Vida Espiritual e o Dízimo

De acordo com Ellen G. White, dar o dízimo requer, previamente, genuína dedicação a Cristo como Salvador e Senhor na vida e experiência dos membros da Igreja. Do contrário, o ato de dar o dízimo seria rejeitado ou poderia tornar-se uma formalidade destituída de profunda significação espiritual.

1) Ela assinala que dar o dízimo precisa ser precedido de verdadeira conversão. Isto significa que “o mero assentimento à verdade não é o suficiente”,  e que devemos, com diligência e oração, “trabalhar com os que aceitam a verdade, até que se convençam de seus pecados e busquem a Deus e se convertam. Então, devem ser instruídos no tocante às reivindicações de Deus quanto a eles, nos dízimos e ofertas.”59 A experiência da conversão é de fundamental importância no contexto de dar o dízimo.

2) Dar o dízimo é o resultado de uma vida santificada. Uma experiência religiosa formal poderá incluir o ato de dar o dízimo, mas carece de significação espiritual. Ela argumenta vigorosamente que “a religião não consiste meramente num sistema de áridas doutrinas, mas de fé prática, que santifica a vida e corrige a conduta no círculo familiar e na igreja. Muitos podem dizimar a hortelã e a arruda, mas negligenciar as questões mais importantes — a misericórdia e o amor de Deus.”60 Ela crê que uma vida santa se caracterizará por atos compassivos e amorosos, como evidência da interiorização da verdade. Ao mesmo tempo, essa vida proporcionará o verdadeiro ambiente espiritual dentro do qual o ato de dizimar funcionará corretamente.

3) Dar o dízimo requer sensibilidade espiritual. A sonolência espiritual tende a tornar-nos inconscientes da voz e orientação de Deus, fazendo com que seja difícil reconhecê-Lo como Senhor em todos os aspectos de nossa vida. Ela escreve que se os crentes “estivessem espiritualmente despertos, ouviriam na renda de cada semana, quer seja muita quer pouca, a voz de Deus e a da consciência, requerendo com autoridade os dízimos e as ofertas devidos ao Senhor”.61 Para ouvir essa voz, a pessoa precisa ser espiritualmente sensível e atenta. Tal sensibilidade conduz ao ato de dar o dízimo, e este demonstra “que a graça de Deus está operando no coração”.62

B. A Motivação Para Dar o Dízimo

Há um conjunto de conceitos religiosos e teológicos fundamentais que são usados por Ellen G. White para incentivar os crentes a dar o dízimo. Examinaremos, aqui, alguns dos mais importantes.

1) Há uma motivação soteriológica. De acordo com ela, na obra de redenção de Deus, por meio de Cristo, Ele deu “o mais precioso dom do Céu”,63 e o  mínimo que devemos fazer é mostrar “que apreciamos a dádiva do amado Filho de Deus”, que “O amamos com não dividido afeto” e que  estamos dispostos a manifestar essa dedicação por nossos dízimos e ofertas.64 Portanto, a motivação apropriada para dar o dízimo é o amor a Deus pelo que Ele realizou em Cristo para nós. Obviamente, dar o dízimo como resposta à salvação que nos é concedida por meio de Cristo é praticamente uma resposta insignificante. Ellen G. White está plenamente ciente dessa resposta desproporcional. É impossível — ela diz — “avaliar o precioso resgate pago para redimir o homem caído. As melhores e mais santas afeições do coração devem ser dadas em agradecimento a tão maravilhoso amor”.  Então, ela menciona o sistema do dízimo e declara: “Quão escasso isso parece ser na minha opinião! Quão pequena a estimativa! Como é inútil o empenho para avaliar, com regras matemáticas, tempo, dinheiro e amor, um amor e sacrifício que é incomensurável e incalculável! Dízimos para Cristo! Oh! mísera bagatela, vergonhosa recompensa do que tanto custou! Da cruz do Calvário, Cristo solicita uma entrega incondicional.”65 Essa declaração desconsidera toda tentativa de usar o dízimo a fim de contribuir de algum modo para nossa aceitação por Deus. No entanto, “o pequeno dízimo”,66 como Ellen G. White o chama, é dado como amorosa resposta  a esse amor insondável.

2) Há a motivação teológica do universal domínio de Deus. Ela insinua que, neste caso, são combinadas duas idéias importantes. O universal domínio de Deus denota que Ele possui tudo, inclusive todos nós que fomos comprados pelo sangue de Cristo, e o fato de que Ele nos designou como Seus mordomos.67 Em ambos os casos, a ênfase recai sobre a nossa responsabilidade para com Deus, o qual, como Proprietário, nos designou para atuar como Seus administradores. Em certo sentido, cada um de nós “pode-se tornar um tesoureiro para o Senhor”.68 Mas o Seu domínio também significa que tudo o que  temos provém dEle, e, por isso, devemos, agradecida e alegremente, devolver-Lhe nossos dízimos e ofertas. Ela escreveu: “A constante bondade de Deus requer algo melhor do que a ingratidão e o esquecimento que os homens Lhe prestam. Não havemos de devolver e apresentar nossos dízimos e ofertas a Deus, com coração agradecido?”69 Conquanto a gratidão não seja a razão para dar o dízimo, este deve ser devolvido com espírito de gratidão.70

3) Há a motivação moral para dar o dízimo. Deus apela para nossa percepção moral e senso de responsabilidade ética como razões fundamentais para darmos o dízimo. O pagamento do dízimo é um dever religioso e moral.71 Isto se baseia na compreensão de Ellen G. White da natureza do dízimo considerada mais acima, e, de acordo com a qual, o dízimo pertence a Deus. Ele o reservou para um propósito sagrado. Retê-lo é uma violação do oitavo mandamento: “Não furtarás.” (Êxodo 20:15). Ela cita a Deus, dizendo: “Empregando o Meu fundo de reserva para satisfazer vossos próprios desejos, … tendes-Me roubado a Mim, subtraindo as Minhas reservas. Por isso, `com maldição sois amaldiçoados’ (Malaquias 3:9).”72 O conselho que ela dá, é: “Estrita, honesta e fielmente, seja-Lhe devolvida essa parte.”73 Evidentemente, para que esta motivação apele à pessoa, é necessário que tenha reconhecido a Deus como Salvador e Senhor.

4) Há também uma motivação missiológica. De acordo com Ellen G. White, esta motivação para dar o dízimo baseia-se na junção da obra de salvação da parte de Cristo e das abundantes bênçãos de Deus a nós: “Aumentando-se as nossas bênçãos e privilégios — e, acima de tudo, tendo nós presente o sacrifício sem par do glorioso Filho de Deus — não deveria a nossa gratidão ter expressão em dádivas [dízimos e ofertas] mais abundantes, a fim de levar a outros a mensagem da salvação?”74 A pergunta retórica espera uma resposta positiva. O plano de Deus é que o evangelho eterno de salvação seja pregado por todo o mundo. No cumprimento desse objetivo, Deus tem chamado pessoas especiais para pregarem a Palavra; mas, por meio do sistema do dízimo, “tornou Ele privilégio de toda a Igreja participar da obra pela contribuição de seus meios para a sua manutenção”.75 Ela comenta que, pelo sistema dizimal, “todos podem sentir que lhes é possível ter parte em promover a preciosa obra de salvação”.76 Convida-nos a dar “de nossos meios para salvar aqueles por quem Cristo morreu”.77 A motivação missiológica procura identificar o nosso interesse com o de Cristo na salvação de almas para o Seu reino.78

5) Há a motivação da bênção. É um pouco difícil definir esta motivação, porque dar o dízimo pressupõe que já fomos abençoados pelo Senhor. Isto é o que Ellen G. White quer dizer ao perguntar: “Havemos de receber todas as bênçãos da mão de Deus, sem que no entanto retribuamos — nem mesmo o dízimo, a porção que Ele reservou para Si mesmo? … Havemos de receber continuamente Seus favores com indiferença, sem Lhe corresponder ao amor?”79 Deus não pode esperar que demos o dízimo antes de abençoar-nos, pela simples razão de que seria impossível fazermos isso sem Suas bênçãos precedentes. Deus toma, portanto, a iniciativa e nos abençoa a nós, pecadores indignos, esperando que reconheçamos ser Ele a fonte dessas bênçãos, mediante uma resposta de amor expressa por meio de nosso dízimo.80

De acordo com Ellen G. White, as palavras do Senhor, registradas em Malaquias 3:10, são dirigidas a um povo que perdeu sua fé em Deus. Ele os encoraja a confiarem nEle e levarem seus dízimos ao templo. Se manifestarem fé nEle, experimentarão as bênçãos de Deus.81 Precisam ser lembrados de que “a condição de prosperidade depende de levar à tesouraria do Senhor aquilo que é Seu”.82 Como o que Lhe damos já pertence a Ele, fundamentalmente a bênção não é o elemento motivacional no ato de dar o dízimo. Esta conclusão parece ser apoiada pela maneira em que Ellen G. White correlaciona o ato de dar o dízimo e a bênção em outros contextos. Notem o seu conselho: “O dízimo fiel é a parte do Senhor. Retê-lo, é roubar a Deus. Deve todo homem trazer livre, voluntária e alegremente os dízimos e ofertas à casa do tesouro do Senhor, pois, em fazê-lo há uma bênção.”83 A leitura apressada dessa declaração talvez dê a entender que a bênção é uma motivação para dar. Notem, porém, que a razão para dar, a verdadeira motivação para o ato de devolver o dízimo, é moral — “O dízimo é a parte do Senhor. Retê-lo, é roubar a Deus.” Qual é, então, o papel da bênção? Ela é um benefício acrescentado! Deus nos criou, diz Ellen G. White, e nos proporcionou “todas as bênçãos” que desfrutamos, mas quando damos o dízimo, há uma bênção especial, mediante a qual Deus faz com que os nove décimos que guardamos valham mais “do que os dez sem essa bênção”.84 Deus aumenta os nossos benefícios para darmos mais a Ele. Buscando a bênção, estamos buscando o privilégio de dar mais para a Causa do Senhor.

C. Retendo o dízimo

Há uma condição sob a qual seria correto reter o dízimo ou fazer mau uso dele? Havendo considerado as motivações para dar o dízimo, a óbvia resposta é negativa. Não há nenhum pretexto válido que alguém possa apresentar para não trazer o dízimo ao Senhor. Ellen G. White rejeita a pobreza como justificativa. Visto que o dízimo é dado em proporção à renda, o dízimo do pobre “será relativamente uma pequena quantia, e suas dádivas estarão de acordo com a sua capacidade. Mas não é o vulto da dádiva que torna a oferta aceitável a Deus; é o propósito do coração, o espírito de gratidão e amor que ela expressa.”85 A dívida também não é uma razão válida para reter o dízimo. Aqueles que usam o dinheiro pertencente a Deus para saldar suas dívidas têm, ela diz, um grave problema religioso e espiritual: não tomaram “a posição sincera e decidida de obedecer a Deus”.86 Seu verdadeiro problema é o egoísmo.87

Ellen G. White também rejeita a falta de confiança nos administradores da Igreja como razão válida para reter o dízimo ou para não dá-lo de modo algum. Sua reação diante do que sucedia na Associação de Michigan, em 1890, ilustra sua atitude para com esta questão.88 Ela descreve a condição do ministério em Michigan em termos muito negativos e necessitando de reavivamento e reforma. A linguagem que ela usa é, às vezes, vigorosa e direta, como por exemplo: “Eles não são ricos em conhecimento espiritual e sabedoria celestial, mas pessoas áridas e destituídas de Cristo”; “o coração do orador não foi transformado pela graça”.89 Ela chegou a dizer que “as igrejas estariam muito melhor sem tais pastores e ministros. É tirado dinheiro da tesouraria do Senhor para sustentar pessoas não convertidas e necessitando que alguém lhes ensine os principais princípios do evangelho, que é Cristo formado no íntimo, a esperança da glória.” 90

A condição espiritual dos pastores teve um efeito adverso sobre os membros da Igreja, que decidiram reter o seu dízimo. Ela chamou-lhes a atenção para Malaquias, e perguntou: “Não podeis ver que, sob quaisquer circunstâncias, o melhor não é reter os dízimos e as ofertas, por não concordardes com tudo o que vossos irmãos fazem? Os dízimos e as ofertas não são propriedade de homem algum, mas devem ser usados em fazer certa obra para Deus.”91 Aqui, ela está usando a natureza do dízimo para expor o seu caso. Então, porém, passa a usar o argumento da responsabilidade moral para reafirmar o dever de os membros da Igreja darem o dízimo: “Pastores indignos talvez recebam parte dos meios assim arrecadados, … mas não cometais pecado, vós mesmos, retendo do Senhor o que Lhe pertence.”92 Os administradores da obra de Deus serão considerados responsáveis ao Senhor pelo seu próprio pecado,93 mas ninguém deve usar a sua falha para justificar o ato de roubar a Deus.

Ao tratar da questão de reter o dízimo, Ellen G. White menciona, muitas vezes, a maldição registrada em Malaquias 3:10. Ela encara essa maldição com muita seriedade, e a interpreta como a ausência da bênção prometida aos que dão o dízimo. É a privação de um bem celestial ou do “benefício adicional” que advém de dar o dízimo e possibilita que demos ainda mais ao Senhor. Por conseguinte, ela pôde dizer: “Quando roubamos a Deus no dízimo, também roubamos a nós mesmos, pois perdemos o tesouro celestial. Privamos a nós mesmos da bênção de Deus.”94 A propósito, por que alguns que retêm o dízimo prosperam? Ela responde: “Algumas dessas pessoas estão, no entanto, em aparente prosperidade. Em Sua grande misericórdia, Deus ainda as está poupando para que vejam e abandonem seu pecado.”95 Ele ainda está procurando persuadi-las de que essas bênçãos provêm  de Sua bondosa mão. Há outros, porém, “que já estão sentindo Sua maldição sobre eles. São levados a circunstâncias probantes e percebem que têm cada vez menos capacidade para dar, quando, se houvessem dado a primazia às reivindicações de Deus, e, com coração voluntário, trazido suas ofertas a Ele, teriam sido favorecidos com mais recursos para dar.”96  Neste caso, a falta de abundantes bênçãos de Deus é designada para incentivá-los a dar o primeiro lugar a Deus em sua vida. Notem que o objetivo da bênção, como já indicamos, é habilitar-nos a dar mais.

Finalmente, de acordo com Ellen G. White, “o dízimo de tudo com que Deus vos favoreceu pertence a Ele; e tendes roubado a Deus ao usá-lo para os vossos próprios empreendimentos. Ele colocou a questão acima de qualquer dúvida.” 97

D. Conclusão

De acordo com Ellen G. White, a motivação da pessoa para dar o dízimo não se baseia meramente na dimensão emocional do ser humano, mas nos aspectos espirituais, afetivos, morais e racionais de sua personalidade. Dar o dízimo requer inteira dedicação a Deus, mediante arrependimento e conversão, uma vida consagrada ao Senhor, que seja sensível à orientação do Espírito de Deus em nossa vida, ao conduzir-nos para a obediência à revelada vontade de Deus.

Ellen G. White dá a entender que a morte sacrifical de Cristo na cruz requer uma resposta de amor dos crentes, a qual se expresse de muitas formas, inclusive dando o dízimo. A soberania de Deus e Sua boa vontade para designar-nos a uma posição de confiança, como Seus mordomos, devem levar-nos a corresponder a essa confiança devolvendo o nosso dízimo a Ele, como despenseiros fiéis, reconhecendo assim a Sua soberania. Ela acrescenta, porém, que o dízimo também apela para nós como agentes morais que, estando cientes da reivindicação de Deus sobre o dízimo, como Sua propriedade exclusiva, consideraríamos o roubo a Ele uma grande fraqueza moral e uma ofensa gravíssima.

A proclamação do evangelho à raça humana recai pesadamente sobre o coração dos que já receberam seus benefícios, e deve incentivá-los a prover os recursos, especialmente por meio do dízimo, para possibilitar que muitos outros ouçam as boas novas. Se a prometida bênção de Deus aos que Lhe devolvem o dízimo funciona como poder impelente para dar o dízimo, deve-se dar a devida ênfase ao desejo de receber mais do Senhor, para poder dar mais. Conquanto haja diversas razões que nos incentivem a dar nosso dízimo ao Senhor, não há razão alguma para retê-lo dEle. Até mesmo o mais grave caso de deficiência ou falha ministerial e administrativa, no devido uso do dízimo, não provê nenhuma justificativa para que os membros da Igreja o retenham ou usem como julguem necessário.

IV. A Logística  de Dar o Dízimo

O sistema dizimal, assim como o procedimento desenvolvido durante o tempo de Ellen G. White para arrecadá-lo, era bem simples e prático. O próprio sistema, da maneira descrita na Bíblia, era “belo em sua simplicidade e eqüidade”, e não requeria “profundidade de saber” para ser compreendido e executado.98

A . Ensinando o Sistema Dizimal

 O primeiro passo no processo era instruir os membros no tocante ao fundamento bíblico para dar o dízimo, e nos seus aspectos práticos. Ellen G. White muitas vezes lembra os pastores de instruírem os membros da Igreja quanto ao seu dever de trazerem os dízimos e ofertas ao Senhor. Evidentemente, ela estava ciente da relutância de alguns pastores em apresentar este assunto em suas igrejas, especialmente a novos conversos, e identificou alguns problemas que poderiam resultar disso. “Se vem um segundo ministro, e apresenta as reivindicações de Deus quanto a Seu povo, alguns voltam atrás, dizendo: `O ministro que nos trouxe a verdade, não mencionou essas coisas.’ E se escandalizam com a Palavra. Alguns recusam aceitar o sistema do dízimo; afastam-se, e não se unem mais com os que crêem na verdade e a amam.” A solução, ela disse, era que todo mensageiro da verdade educasse “fiel e cabalmente” esses conversos “quanto a todos os aspectos essenciais”.99

Ela ensinou que se esperava ensinassem os ministros do evangelho que o sistema dizimal “é tão obrigatório ao povo de Deus, nestes últimos dias, como o era para o povo de Israel”,100 que tem de ser um dízimo fiel e honesto101 e que deve ser dado ao  Senhor “como testemunho de que reconhecem sua dependência de Deus”,102 denotando assim que seu propósito não era obter o favor divino. Essa instrução devia ser reforçada pelo pastor, “por preceito e exemplo”.103

B. Arrecadando o Dízimo

O processo começa com a compreensão de que o dízimo pertence a Deus e que deve ser reservado para Ele. Portanto, é necessário separar a parte do Senhor logo que se recebe o rendimento. Ninguém, diz Ellen G. White, deve “ensinar que devemos gastar nossos recursos com nós mesmos  e trazer o resto para o Senhor, mesmo que de outro modo fosse um dízimo honesto. Separai primeiro a parte do Senhor.”104 A razão para isso é provavelmente tanto teológica como pragmática. Separar primeiro o dízimo torna-se um “ritual” por meio do qual expressamos uma verdade teológica, a saber: que Deus ocupa o primeiro lugar em nossa vida. No nível pragmático, separar primeiro o dízimo protege-o do mau uso ou da apropriação indébita. Ela esclarece que isso deve ser feito no lar, com a participação tanto dos pais como dos filhos.105

Uma vez separado o dízimo, ele deve ser levado à igreja. Para ela, a ocasião mais apropriada para apresentarmos nossos dízimos e ofertas a Deus é durante o culto divino, no sábado. A idéia parece ser que o sábado proporciona o ambiente espiritual necessário para adorarmos a Deus por meio de nossos recursos, porque é um dia especial para termos comunhão com Ele.  “No sábado meditamos em Sua bondade. Contemplamos Sua obra na criação como evidência de Seu poder na redenção. Nosso coração se enche de gratidão por Seu grande amor. E agora, antes que comece a labuta de uma nova semana, devolvemos-Lhe o que pertence a Ele, junto com uma oferta para demonstrar nossa gratidão.”106 Devolver nossos dízimos e ofertas a Deus é realmente um ato de adoração realizado durante o dia de culto, o sábado, quando o povo de Deus se reúne para adorá-Lo.

O dinheiro do dízimo devia, então, ser enviado ao tesoureiro do escritório da Associação, e o presidente tinha a responsabilidade de certificar-se de que um dízimo fiel era trazido para o tesouro.107 De acordo com Ellen G. White, “mordomos fiéis devem colocar o dinheiro do Senhor no Seu tesouro”;108 de fato, ela diz: Deus “requer que esta parte seja colocada no Seu tesouro”.109 Espera-se que os administradores usem o dízimo  trazido à tesouraria  de acordo com o propósito de Deus para ele.

C. Fontes Que São Dizimáveis

Quanto de dízimo a pessoa deve dar e quais são as fontes de que devemos dar o dízimo? Sua resposta é clara: “Quanto à quantia requerida, Deus especificou um décimo da renda como a parte que Lhe é devida”;110 “o dízimo de tudo aquilo com que Deus vos abençoou”;111 “o dízimo de toda a nossa renda é do Senhor”.112 Escrevendo a “homens ligados às instituições designadas por Deus”, ela os aconselha a “dar o dízimo de tudo o que possuem e de tudo o que recebem.”113 Falando de maneira mais específica, ela se refere `a “consagração a Deus de um décimo de toda a renda, quer … dos pomares quer dos campos, dos rebanhos ou do trabalho mental e manual”.114 Sua ênfase principal é sobre dar o dízimo de todas as rendas e aumentos. No entanto, ela reconhece que as quantias variarão duma pessoa para outra, não somente por serem proporcionais às rendas ou aumentos,115 mas porque os detalhes e, talvez, a definição do que é renda e aumento “fica com a consciência e beneficência dos homens, cujo juízo nesse sistema dizimal deve ser livre”.116 Contudo, ela acrescenta imediatamente: “E ao passo que isto fica com a consciência, foi estabelecido um plano bastante definido para todos. Não se exige compulsão.”117 O contexto indica que o plano a que ela se refere foi estipulado na Bíblia, e segundo o qual a décima parte de todas as rendas devia ser devolvida ao Senhor. Alguns anos mais tarde, ela comentou outra vez: Deus  “deixa todos livres para dizerem quanto seja o dízimo, e se querem ou não dar mais que isso”.118 Seus escritos parecem mostrar uma espécie de esclarecimento progressivo das fontes de que damos o dízimo, mas não da natureza dele.

D. Conclusão

De acordo com Ellen G. White, o sistema do dízimo é intencionalmente simples, a fim de possibilitar que todos se sujeitem a ele. Os pastores devem ensinar o sistema aos membros da Igreja e instruí-los sobre a sua responsabilidade de trazer o dízimo ao Senhor. Antes de usar uma parte da renda, deve-se separar o dízimo em casa, quase como um ato de adoração. Depois, então, deve ser levado à igreja, no sábado, como ato de adoração e reconhecimento de nossa constante dependência das bênçãos e da graça de Deus. Deve-se pagar o dízimo de todas as rendas e aumentos, ficando a determinação dos detalhes a critério de cada pessoa.

V. Usos do Dízimo

Muita coisa do que Ellen G. White escreveu sobre o dízimo trata de perguntas e dos conselhos que ela deu a respeito de como usar o dinheiro do dízimo. Sem dúvida, neste caso, houve um aumento na sua compreensão, pois, numa carta ao Pastor A. G. Daniels, em 16 de março de 1897, ela mesma disse: “Nunca compreendi tão plenamente este assunto como o compreendo agora. Como me foram enviadas perguntas, para que as respondesse, recebi especiais instruções do Senhor, de que o dízimo é para um propósito especial.”119 São essas instruções que consideraremos agora.

A. Determinando o Uso

Quanto a isso, a questão básica é quem decide como deve ser usado o dízimo. Esta é, provavelmente, a questão mais difícil que enfrentamos ao examinar o dízimo nos escritos de Ellen G. White. Lendo o que ela declara sobre o assunto, ficamos impressionados com a constante ênfase que é dada ao que o Senhor lhe revelou a respeito do uso do dízimo. Ela enfatiza esse ponto de diversas maneiras. Por exemplo: “Deus deu instruções especiais quanto ao emprego do dízimo”;120 ele deve ser colocado na tesouraria de Deus e “mantido sagrado para o serviço dEle, de acordo com o que designou”;121 “Recebi especiais instruções do Senhor, de que o dízimo é para um propósito especial.”122 Isto está em perfeita harmonia com o ensino bíblico de que o dízimo pertence a Deus, e é Ele quem decide sua finalidade e como deve ser usado.

Ellen G. White parece estar dizendo que, por intermédio do seu ministério profético, o Senhor comunicou agora à Igreja como Ele quer que o dízimo seja usado. Qualquer tentativa de usar o dízimo de um modo que não era compatível com o que o Senhor lhe revelara foi imediatamente condenada por ela. Em 1901, até censurou alguns administradores na Associação Geral que estavam tomando decisões acerca do uso do dízimo. Ela escreveu: “Não é  o … desígnio [de Deus] que dois ou três homens planejem por toda a Associação e decidam como deve ser usado o dízimo, como se o dízimo fosse um fundo que lhes pertencesse.”123 A óbvia dedução é que os administradores e obreiros da Igreja são protetores do sistema do dízimo e, como tais, responsáveis por certificar-se de que esteja sendo usado de acordo com a revelada vontade de Deus.

B. Uso Específico do Dízimo

Em geral, Ellen G. White ensina que Deus “reclama o dízimo como Sua propriedade, e o mesmo deveria ser sempre considerado uma reserva sagrada a ser depositada no Seu tesouro, para o benefício de Sua causa“.124 Em outro lugar ela escreveu: “Ele [Deus] tem um tesouro, esse tesouro deve ser abastecido pelo dízimo, e esse dízimo deve ser um dízimo sagrado, o dízimo de Deus, e ser tão liberal que sustente a obra em grande medida”,125 ou simplesmente “para que a obra possa ser mantida”.126 No Antigo Testamento, Deus designou o dízimo aos levitas, para a sua obra no santuário, mas agora Ele o designou para ser usado na obra da Igreja, a qual consiste basicamente na proclamação do evangelho, ou, como ela declara, “para sustento do ministério evangélico”127 Ela é, porém, muito específica sobre como ele deve ou não ser usado.

1. Usado Para Sustentar os Ministros do Evangelho: O dízimo deve ser usado para prover sustento financeiro aos que se acham engajados no ministério,128 isto é, “manter os obreiros evangélicos em seu labor”.129 Estes obreiros são definidos por Ellen G. White como “aqueles que ministram na obra sagrada como os escolhidos do Senhor, para realizar Seu trabalho não somente pregando sermões, mas ministrando”,130 e ensinando as Escrituras aos que não compreendem a lei de Deus.131

2. Usado Para Sustentar Professores de Bíblia: Este uso especial do dízimo se baseou nas instruções que Deus lhe deu: “Tem sido comunicada a luz de que os que ministram em nossas escolas, ensinando a Palavra de Deus, explicando as Escrituras, educando os alunos nas coisas divinas, sejam sustentados com o dinheiro do dízimo.”132 Ela escreveu isso em 1900, mas na mesma declaração, acrescentou o seguinte: “Estas instruções foram dadas há muito tempo, e mais recentemente têm sido aqui e ali repetidas.”133 Entre esses professores de Bíblia, ela inclui mulheres que estão “ensinando moças a trabalhar com êxito como visitadoras e instrutoras bíblicas.”134

3. Usado Para Sustentar Esposas de Pastores, Que Trabalham  no Ministério Evangélico: Ela fala em favor de uma esposa de pastor a quem “o Senhor confere … o encargo do trabalho, e se ela dedica o tempo e as forças para visitar uma família após a outra, abrindo-lhes as Escrituras, está realizando uma obra que faz parte do setor do ministério, embora não lhe tenham sido impostas as mãos da ordenação”,135 e deveria ser paga pelo seu trabalho com recursos provenientes do dízimo.136 Ellen G. White afirma claramente que “o dízimo deve ser para os que trabalham na palavra e na doutrina, sejam eles homens ou mulheres”.137

4. Usado Para Sustentar Médicos-Missionários: Quando alguns estavam se opondo à idéia de usar o dízimo para sustentar médicos-missionários, ela escreveu: “Sou instruída a dizer que … um ministro do evangelho que seja também médico-missionário … é um obreiro muito mais eficiente do que aquele que não o pode fazer.”138 Ela defendia, portanto, o uso do dízimo para pagar-lhes os salários.

5. Usado Para Sustentar Ministros Aposentados e Suas Famílias: Em 1904, ela encorajou os administradores a proverem benefícios de aposentadoria para viúvas de pastores.139 Quando, em 1911, a Igreja criou um plano de aposentadoria para o qual cada Associação deveria contribuir com cinco por cento de seus dízimos, ela o apoiou plenamente.140

6. Usado Para Sustentar Diretores do Departamento de Publicações: Não há nenhuma declaração de Ellen G. White apoiando o uso do dízimo para pagar diretores do Departamento de Publicações. Entretanto, há uma carta de W.C. White para W. S. Lowry, datada em 10 de maio de 1912, na qual ele afirma: “Sempre que esta questão tem sido apresentada a Mamãe, ela tem dado sua aprovação ao plano que geralmente é adotado por nosso povo.”141

7. Usado Para Sustentar Campos Missionários em Necessidade: Ela aconselha Associações que têm excedentes de dízimos a partilhá-los com regiões situadas fora de suas fronteiras na América do Norte e  Além-Mar. Ela apela: “Há missões a serem mantidas em campos nos quais não há igrejas e dízimos, e onde também os crentes são novos e o dízimo é limitado. Se tiverdes meios que não sejam necessários depois de acertardes as contas com vossos ministros, de maneira liberal, enviai o dinheiro do Senhor para esses lugares privados de recursos.”142

C. Uso Excepcional do Dízimo

Há alguns casos em que Ellen G. White estende o uso do dízimo a algumas situações que não fazem parte dos usos anteriores, que acabamos de considerar.

1. A Obra Médico-Missionária no Sanatório: Ellen G. White aprovou um plano que lhe foi submetido pelo Dr. John Harvey Kellogg. De acordo com esse plano, uma quantia equivalente ao dízimo pago à Associação pelos obreiros do sanatório foi apropriada para ser usada em levar avante a obra missionária ligada ao sanatório.143 A obra consistia em ajudar os pobres. No entanto, ao dar sua aprovação, ela teve o cuidado de lembrar os dirigentes da Igreja de que a nossa principal responsabilidade é a proclamação da mensagem do terceiro anjo.144

2. Edificar Casas de Culto: Isto só deve ser feito em casos muito excepcionais. Ela escreve: “Há lugares excepcionais, em que a pobreza é tão intensa que para conseguir o mais humilde local de culto talvez seja necessário fazer uso dos dízimos.”145

3. Pagar um Arrecadador de Dízimos: Este uso do dízimo não é abordado por Ellen G. White em parte alguma de seus escritos; mas, de acordo com W. C. White, Ellen e Tiago White o apoiaram. O arrecadador do dízimo não só era um tesoureiro, mas tinha a clara responsabilidade de arrecadar o dízimo dos membros da Igreja.

Tais exceções eram raras, e Ellen G. White não tencionava que se tornassem uma prática comum adotada por toda a Igreja, mas cada caso envolvia determinadas circunstâncias que requeriam medidas especiais. O que é significativo aqui, é que os dirigentes da Igreja buscavam o seu conselho para terem certeza de não estarem violando a santidade do dízimo. Eles, evidentemente, reconheciam que era Deus quem decidia como o dízimo devia ser usado.

D. Uso Incorreto do Dízimo

Durante o seu ministério, Ellen G. White teve de responder a muitas perguntas acerca do uso do dízimo e teve também de enfrentar algumas práticas específicas nas igrejas e entre os obreiros. Seus conselhos identificam certos usos do dízimo que não se harmonizam com a natureza do dízimo e o sagrado propósito que lhe foi designado por Deus.

1. Mau Uso Pessoal: Escrevendo aos membros da Igreja, ela diz: “A porção que Deus reservou para Si, não deve ser desviada para nenhum outro desígnio que não aquele por Ele especificado. Ninguém se sinta na liberdade de reter o dízimo, para empregá-lo segundo seu próprio juízo. Não devem servir-se dele numa emergência, nem usá-lo segundo lhes pareça justo, mesmo no que possam considerar como obra do Senhor.”146 Notem que seu conselho se baseia na natureza do dízimo.

2. Mau Uso Pastoral: Nas igrejas locais, os pastores tinham acesso imediato ao dízimo trazido ao Senhor pelos membros da Igreja e podiam, com facilidade, fazer mau uso dele. O pastor não devia achar que podia “retê-lo e aplicá-lo de acordo com o seu próprio critério, porque era um ministro. O dízimo não é seu.  Ele não tem liberdade para dedicar a si mesmo o que pensa ser-lhe devido.”147

3. Colportores: Alguns administradores da Igreja eram favoráveis à idéia de pagar colportores com o dízimo. Ela escreveu: “Comete-se grande erro quando se retira o dízimo do fim em que deve ser empregado — o sustento dos ministros.”148         4. Mau Uso Pelas Igrejas: De acordo com Ellen G. White, o dízimo não devia ser usado para prover melhorias ou conforto às igrejas,149 para suprir as necessidades ou o cuidado da casa de Deus,150 para prover suas necessidades comuns,151 para pagar débitos de igrejas,152 ou para custear-lhes as despesas.153 Também não devia ser empregado na construção de edifícios institucionais.154

5. Despesas da Escola: Ellen G. White declara inequivocamente que o dízimo não deve ser “aplicado para fins escolares”,155 nem como fundo de auxílio a estudantes.156

6. Ajudar os Pobres e Doentes: A responsabilidade cristã de cuidar dos pobres e ajudá-los é constantemente defendida por Ellen G. White. No entanto, ela indica que o dízimo não deve ser usado com essa finalidade; ele “não deve  ser considerado um fundo para os pobres. Deve ser dedicado especialmente ao sustento dos que estão levando a mensagem de Deus ao mundo; e não deve ser desviado desse propósito.”157 Ela aconselha cada igreja a “sentir sua responsabilidade de ter especial interesse nos fracos e nos idosos. … O dízimo não deve ser reservado para esta obra.”158

7. Pastores na Política: O zelo político expresso por meio de discursos políticos é, segundo Ellen G. White, incompatível com a obra de um pastor, e “o dízimo não deve ser empregado para pagar alguém a fim de discursar sobre questões políticas”.159

E. Conclusão

De acordo com ela, o uso do dízimo foi determinado por Deus, o qual o santificou para um propósito muito específico. Com freqüência, ela indicou que o que tinha a dizer sobre o emprego do dízimo lhe foi  comunicado pelo Senhor, e quando administradores, pastores ou membros da Igreja usavam o dízimo incorretamente, ela falava contra isso. Os dirigentes da Igreja também reconheciam que é Deus quem determina como o dízimo deve ser usado, e eles demonstravam essa convicção buscando o seu conselho quando precisava ser tomada alguma decisão a respeito do uso do dízimo.

Ela ensinava fundamentalmente que o dízimo devia ser usado para o ministério evangélico. Houve algumas exceções quando isto se tornou necessário, mas não deveriam tornar-se práticas permanentes. O emprego muito específico do dízimo, defendido por ela, talvez seja interpretado sob o aspecto da situação econômica da Igreja durante o tempo em que ela viveu. Visto que a Igreja não tinha abundantes recursos financeiros naquele tempo, poderá ser que alguém afirme que a limitada quantidade de dízimo que chegava à tesouraria era cuidadosamente guardada e usada para a proclamação do evangelho. Alterações na condição financeira da Igreja poderiam requer um emprego diferente do dízimo, que permitisse o que ela não permitiu.

Semelhante interpretação das evidências não seria aceitável para Ellen G. White. Ela insiste em que sua descrição do emprego do dízimo é a maneira pela qual o Senhor espera que a Igreja o utilize. Visto que o dízimo é sagrado e constitui exclusiva propriedade de Deus, Ele é a única pessoa que pode determinar como deve ser empregado. O apoio para esta interpretação das evidências provém do conselho que ela deu a uma Associação que tinha dízimo excedente. Em vez de permitir que eles fossem criativos no uso desse excedente, ela recomendou que o partilhassem com outros campos.160

O fato de que ela admitiu que houvesse algumas exceções a suas instruções específicas denota que há certa liberdade no uso do dízimo. Entretanto, tais casos não deveriam passar a fazer parte da regra. Além disso, ela ainda estava viva para orientar os dirigentes da Igreja nos casos em que deveria haver exceções. Qualquer exceção, hoje em dia, teria de ser estudada com muito cuidado e oração, lembrando que o dinheiro do dízimo não é nosso, para ser usado como nos apraz.161

VI. O Uso Pessoal do Dízimo de Ellen G. White

O emprego do dízimo pessoal de Ellen G. White foi meticulosamente estudado por outras pessoas, tornando desnecessário que entremos em todos os pormenores da questão.162 É claro que ela enviava seus dízimos para a tesouraria da Associação, mas em alguns casos apropriou-se dele para uma necessidade específica. Ela estava muito preocupada com a obra nos Estados do Sul dos EE.UU. e com a falta de adequado apoio financeiro para os pastores que labutavam ali. Por isso, apropriou-se do dinheiro de seu dízimo “para o campo mais necessitado e mais desalentador no mundo”.163 Além disso, estava disposta a aceitar o dízimo de outras pessoas que o entregavam a ela, pedindo que o utilizasse onde soubesse que era “mais necessário”.164 Usava o dinheiro “para ajudar pastores brancos e negros que estavam sendo negligenciados e não recebiam o suficiente para sustentar suas famílias”.165 Em alguns casos, ela indicou claramente que o dinheiro devia ser “aplicado em prol dos pastores negros, para ajudá-los em seus salários”.166

Ela também usou parte do seu dízimo para suprir as necessidades de algumas esposas de pastor que trabalhavam o tempo integral, mas não eram pagas pela Associação. Essas mulheres estavam realizando trabalho ministerial e se preocupavam com a salvação de pessoas que não conheciam a mensagem.167 Ela considerava uma injustiça deixar que tais pessoas dedicassem todo o seu tempo à obra missionária sem receberem pagamento, e achava que tinha “o dever de criar um fundo, com o dinheiro do meu dízimo, para pagar essas mulheres que estão realizando uma obra tão essencial como a que é efetuada pelos pastores”.168

Quanto à sua prática, ela primeiro esclarece que “durante anos, tem-me sido apresentado que meu dízimo devia ser apropriado por mim mesma para ajudar os pastores brancos e negros que estavam sendo negligenciados e não recebiam o suficiente para sustentar devidamente suas famílias”.169 Em outras palavras, como profetisa, ela fora orientada por Deus para fazer o que estava efetuando. Essa era sua “obra especial”. Em segundo lugar, ela declara que o dízimo “não era retido do tesouro do Senhor”,170 pois o estava utilizando para o sustento do ministério. Em terceiro lugar, ela não aconselhava ou incentivava ninguém a pegar o dinheiro do dízimo e utilizá-lo da maneira que achasse conveniente.171 Percebia que o que estava fazendo era singular para ela, devido às instruções que lhe tinham sido dadas por Deus. Em quarto lugar, não solicitava o dízimo de outras pessoas para  aplicá-lo em campos necessitados. As evidências de que dispomos indicam que algumas pessoas lhe entregaram o dinheiro do dízimo, mas não há indícios de que ela o tenha solicitado.172 Em quinto lugar, mantinha um registro de responsabilidade pelo dinheiro que era entregue aos seus cuidados, dava um recibo dele, e contava como fora utilizado aos que lho tinham entregue.173

É evidente que Ellen G. White, nas ocasiões em que se apropriou do seu dízimo e do que lhe foi entregue por outras pessoas, tinha boas razões para fazê-lo, e o apoio do Senhor. O dízimo não estava sendo mal empregado, mas cumpria o desígnio de Deus para esse fundo sagrado. Devido ao seu ministério muito especial dentro da Igreja, sua prática nesse aspecto não pode ser usada como modelo para que alguém se aproprie do dízimo para projetos particulares. Também devemos ter em mente que suas utilizações do dízimo para sustentar instrutores bíblicos e obreiros aposentados tornaram-se práticas adotadas pela igreja.

VII. O Segundo Dízimo

O livro de Deuteronômio legisla sobre um dízimo que devia ser comido pelos israelitas no templo ou em suas próprias cidades e partilhado com os pobres e os levitas (12:6 e 17; 14:22-29; 26:12-15). Ellen  G. White faz distinção entre esse dízimo e o dízimo regular totalmente designado aos levitas e sacerdotes, para o seu trabalho no santuário. Ela o chama de “segundo dízimo”.174 Este dízimo era levado ao santuário de dois em dois anos, como oferta de agradecimento, e comido numa festa religiosa de que participavam os levitas, os estrangeiros, os órfãos e as viúvas.175 Durante o terceiro ano, “este segundo dízimo devia ser usado em casa, hospedando os levitas e os pobres” e era “um fundo para fins de caridade e hospitalidade”.176 Ela esclarece que esse era “um dízimo além do que era dado cada ano para o serviço de Deus, e inteiramente distinto dele”.177

Dar um segundo dízimo na época atual não é desaconselhado por Ellen G. White, mas também não é fortemente promovido por ela. Enquanto se encontrava na Austrália, ela incentivou os membros da Igreja a trazerem suas ofertas para aumentar o fundo destinado à construção do Sanatório de Sydney. Ela relata: “Nossos companheiros de trabalho na Australásia responderam animosa e entusiasticamente. O segundo dízimo foi reservado para aumentar o fundo de construção. Houve muitos donativos de dinheiro, trabalho e materiais, representando indizível abnegação.”178 Não nos é declarado se ela solicitara, ou não, um segundo dízimo para o projeto. O importante é que, evidentemente, pelo menos em algumas ocasiões, os membros da Igreja deram um segundo dízimo.

Quando a obra educacional estava se desenvolvendo, surgiu a questão de como financiá-la, e perguntaram a Ellen G. White: “O segundo dízimo não poderia ser usado para manter a obra da escola da Igreja?” Sua resposta imediata foi a seguinte: “Ele não poderia ser utilizado com melhor finalidade do que esta.”179 Quando, porém, os dirigentes procuravam cobrir quase todas as despesas da escola com o segundo dízimo, ela declarou: “Fui instruída de que o plano de não cobrar nada dos alunos pela taxa escolar, dependendo do segundo dízimo para manter a escola, sempre deixará a escola em precárias condições financeiras.”180

Nada mais foi escrito por ela sobre o segundo dízimo. Parece que não o considerava obrigatório à Igreja, mas não dissuadiu os que estavam dispostos a dá-lo para projetos específicos.

VIII. Conclusão Geral

É claro para mim que os conselhos que Ellen G. White dá a respeito do dízimo, bem como os seus constantes apelos para que os membros da Igreja trouxessem  seus dízimos ao Senhor, não se baseiam originariamente em interesses financeiros pragmáticos, mas foram determinados por sua especial compreensão teológica  do dízimo. Seu conceito de Deus como justo proprietário do Universo, bem como Sua bondade revelada nas constantes dádivas e bênçãos que nos tem concedido e que culminaram no supremo Dom de Seu Filho único, provêm uma sólida base teológica para as reivindicações de Deus sobre nós, sobre tudo o que temos, e especialmente sobre o nosso dízimo.

O sistema do dízimo foi instituído pelo próprio Deus, para que fosse uma bênção a uma raça decaída, dominada por incontrolável egoísmo. A boa qualidade dessa lei é revelada pelo fato de que procedeu de Deus e foi confirmada por Jesus, como tendo permanente valor para Seu povo. Por meio do  dízimo, Deus tencionava impressionar-nos com a realidade de que Ele é o doador de todas as nossas bênçãos. É Ele quem preserva nossa vida, e devemos reconhecê-Lo como nosso Salvador e Senhor. Ele também tencionava restaurar nossa dignidade pessoal, reintegrando-nos como Seus mordomos, segundo é evidenciado no ato de dar o dízimo.  Pelo poder de Deus, dar o dízimo deveria ser um poderoso instrumento para subjugar o nosso egoísmo natural.

Portanto, para Ellen G. White, o dízimo era um instrumento nas mãos de Deus para abençoar-nos. Ele era exclusivamente propriedade de Deus, e santo. Devolvê-lo a Deus é um dever religioso e moral, pois pertence a Ele, e é sagrado. É mantido assim quando os membros da Igreja o reservam para o Senhor e o colocam em Seu tesouro, na Associação. Este fundo sagrado é preservado assim quando usado pelos administradores da Igreja para o propósito que Deus lhe designou.

Para Ellen G. White, dar o dízimo é o resultado de um relacionamento pessoal com o Senhor, baseado em uma completa dedicação a Ele. Ela incentiva os crentes a darem o dízimo com base no fato de que Cristo deu Sua vida por eles, de que Deus é o Senhor do Universo, de que temos a responsabilidade moral de devolver o dízimo e de que precisam ser providos recursos para levar o evangelho a um mundo que perece. Se somos abençoados, como Deus prometeu, isto acontece para habilitar-nos a dar mais para a Causa de Deus.

Os pastores e administradores têm a responsabilidade de ensinar aos membros da Igreja que lhes compete trazer ao Senhor um dízimo fiel. Ela sugere que ele seja separado em casa e levado à igreja no sábado. Deve basear-se em nossos lucros e rendas, mas cada pessoa deve estar livre para determinar os pormenores. Quanto ao seu emprego, o dízimo deve ser usado para a proclamação do evangelho pelos pastores e outras pessoas que dedicam a vida ao ministério evangélico. Para Ellen G. White, a natureza do dízimo (ele é santo e pertence a Deus) é inseparável de seu uso. É Deus quem determina como deve ser usado o que Lhe pertence. Neste sentido, a função do ministério profético de Ellen G. White, como instrumento de Deus, tem sido uma bênção para a Igreja. Por meio dela, nosso Senhor nos informou o que Ele quer que façamos com o Seu dízimo. Ela corrigiu abusos e confirmou o uso correto do dízimo. Ao mesmo tempo e em determinadas circunstâncias, Deus permitiu que ela utilizasse o seu dízimo para ajudar os que trabalhavam no ministério com recursos financeiros muito limitados.

Embora Ellen G. White não enunciasse sua teologia do dízimo de maneira sistemática, é óbvio que possuía tal teologia, e que esta influiu sobre tudo o que tinha a dizer acerca do dízimo. Há segurança para a Igreja em atender ao que ela disse.


 

Notas e Referências

1. O sistema do dízimo desenvolveu-se vagarosamente entre os pioneiros adventistas. À medida que a Igreja ia crescendo, tornou-se evidente que havia necessidade de recursos financeiros para proclamar a mensagem e pagar os obreiros de tempo integral. Em 1858, uma classe bíblica, sob a direção de J. N. Andrews, estudou os princípios bíblicos para o sustento do ministério. Como resultado, um plano chamado “Beneficência Sistemática” foi formulado em 1859 e posto em prática para incentivar os membros da Igreja a proverem os fundos necessários. O sistema bíblico do dízimo, originariamente, não fazia parte dele; mas foi-lhe acrescentado mais tarde, em 1860. Nesse plano, o dízimo se restringia à renda das propriedades, e esperava-se que os que não tinham propriedades fizessem doações pessoais. Tal sistema rudimentar foi apoiado por Ellen G. White, a qual, desde 1857 vinha encorajando os membros da Igreja a serem liberais em suas doações para a Causa (Testimonies, 1: 170). Em 1859 ela referiu-se ao plano da Beneficência Sistemática como “agradável a Deus” (Ibidem, pág. 190). Em 1861, era claro para ela que o plano devia incluir o ato de trazer a Deus dízimos e ofertas. Ela escreveu: “Não roubeis a Deus, retendo-Lhe  vossos dízimos e ofertas. O primeiro dever sagrado é entregar a Deus uma proporção adequada (Ibidem, pág. 221). Ela não definiu, porém, aquilo de que se deveria dar o dízimo, nem especificou o seu uso. Na realidade, os pioneiros, a princípio, não faziam distinção entre o uso dos dízimos e o uso das ofertas. Por volta de 1876, os dirigentes da Igreja perceberam que havia defeitos no plano, especialmente quanto ao que devia servir de base para calcular o dízimo. Então foi declarado e votado que se deveria dar um décimo de todos os rendimentos. Dessa ocasião em diante, Ellen G. White muitas vezes escreveu sobre o que constituía um dízimo apropriado e o modo específico como devia ser usado. Para mais detalhes a respeito da história do dízimo na Igreja ASD, ver o artigo de Arthur L. White, “Destaques do Começo do Sistema do Dízimo”, documento inédito guardado numa estante do Patrimônio Literário de Ellen G. White, 1990; Arthur L. White, Ellen G. White: The Early Years, vol. 1 (Hagerstown, MD: Review and Herald, 1985), págs. 380-393; “Beneficência Sistemática”, SDA Encyclopedia, vol. 2, editada por Don F. Neufeld (Hagerstown, MD: Review and Herald, 1996), págs. 735-738.

2. E. g., Amazing Grace, pág. 151; “Dízimos e Ofertas”, Southern Watchman, 14 de fevereiro de 1905, par. 6.

3. Special Testimonies for Ministers and Workers, n.o 9, pág. 71.

4. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 71.

5. “Reunião Campal em Williamsport, Pensilvânia”, Review and Herald, 13 de agosto de 1889, par. 8.

6. Manuscript Releases, 12:228.

7. “Dízimos”, Pacific Union Recorder, 10 de outubro de 1901, par. 4.

8. Ela escreveu o seguinte a respeito da conexão entre a dádiva de Cristo, da parte de Deus, e todas as outras dádivas: “Dando-nos a Jesus, o Senhor nos concedeu o mais valioso tesouro do Céu. Com Ele, nos tem dado gozar abundantemente todas as coisas. Os produtos da terra, abundantes colheitas, os tesouros de ouro e de prata, são dádivas Suas. Casas e terras, o alimento e o vestuário colocou-os na posse dos homens. Pede que O reconheçamos como o Doador de todas as coisas; e, por essa razão, diz: `De todas as vossas posses reservo a décima parte para Mim, além das dádivas e ofertas, que devem ser trazidas à casa do Meu tesouro.’” – “Uma Prova de Gratidão e Lealdade”, Review and Herald, 4 de fevereiro de 1902, par. 4; ver também “O Dever de Dar Dízimos e Ofertas”, Review and Herald, 17 de dezembro de 1889, par. 2.

9. “Necessidade da Obra e do Batismo do Espírito Santo”, Sermons and Talks, 1:182.

10. Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 35.

11. “Dízimos”, Pacific Union Recorder, 10 de outubro de 1901, par. 3.

12. Patriarcas e Profetas, pág. 525; cf. O Desejado de Todas as Nações, pág. 616.

13. Patriarcas e Profetas, pág. 525.

14. O Desejado de Todas as Nações, pág. 616.

15. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 73.

16. Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 35.

17. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 69.

18. O Lar Adventista, págs. 25 e 26; A Ciência do Bom Viver, pág. 356.

19. Spiritual Gifts, vol. 3, pág. 254; e Profetas e Reis, pág. 183.

20. Patriarcas e Profetas, pág. 71; e Mensagens Escolhidas, vol. 1, pág. 230.

21. O Desejado de Todas as Nações, pág. 617.

22. O Desejado de Todas as Nações, pág. 616.

23. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 75.

24. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 67.

25. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 66.

26. Gospel Workers (1892), pág. 98.

27. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 46. Nessa declaração, ela está tratando de dízimos e ofertas, dando a entender que a prática de dar ofertas também foi instituída por Deus.

28. Ela escreveu: “Todas as coisas na Natureza testificam do cuidado terno e paternal de nosso Deus, e de Seu desejo de tornar felizes os Seus filhos. Suas proibições e ordens terminantes não se destinam simplesmente a ostentar Sua autoridade; antes, em tudo que Ele faz, tem em vista o bem-estar de Seus filhos. Ele não exige que estes abandonem coisa alguma que seria de seu máximo interesse conservar.” — Patriarcas e Profetas, pág. 600.

29. A expressão “sistema do dízimo” é muitas vezes usada por Ellen G. White para referir-se à lei e prática de dizimar, mas às vezes ela parece usá-la para designar o dever e a prática de trazer dízimos e ofertas ao Senhor. Neste artigo nós a usaremos para designar apenas a prática de dizimar.

30. “Dízimos”, Pacific Union Recorder, 10 de outubro de 1901, par. 7.

31.     Mente, Caráter e Personalidade, vol. 2, pág. 566.

32. Review and Herald, 27 de outubro de 1885, par. 4.

33.     “O Sacrifício de Cristo Pelo Homem”, Signs of the Times, 13 de junho de 1900, par. 3.

34.     Manuscript Releases, 2:133.

35.     “Reunião Campal em Williamsport, Pensilvânia,” Review and Herald, 13 de agosto de 1889, par. 8.

36.     Conselhos Sobre Mordomia, pág. 105.

37.  Ela escreveu: “Quando Ele vê um fiel cumprimento do dever no pagamento do dízimo, muitas vezes, em Sua sábia providência, abre caminhos pelos quais este possa aumentar. Os que se têm tornado participantes da graça de Deus não devem ser vagarosos em demonstrar seu apreço por essa dádiva. Não devem considerar o dízimo como o limite de sua liberalidade.” – “Cooperadores de Deus”, Review and Herald, 24 de agosto de 1886, par. 9.

38. “Uma Prova de Gratidão e Lealdade”, Review and Herald, 4 de fevereiro de 1902, par. 8. A palavra “mordomo”, quando aplicada por Ellen G. White a seres humanos, denota sua responsabilidade para com Deus, bem como o reconhecimento de que “não são proprietários”. (“Dízimos”, Pacific Union Recorder, 10 de outubro de 1901, par. 4.)

39. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 299.

40. Educação, pág. 44.

41. “Vitória Sobre a Tentação”, Signs of the Times, 11 de abril de 1900, par. 7.

42. Ela comenta: “O Senhor inventou este plano porque é melhor para nós. Satanás trabalha constantemente para promover nos homens mundanidade, cobiça e avareza, de modo que possa arruinar-lhes a alma e prejudicar a obra de Deus. O Senhor está procurando cultivar em nós gratidão e liberalidade. Ele deseja libertar-nos do egoísmo, que é tão ofensivo a Ele, por ser tão contrário ao Seu caráter.” – “Uma Prova de Gratidão e Lealdade”, Review and Herald, 4 de fevereiro de 1902, par. 6.

43. “Dízimos”, Pacific Union Recorder, 10 de outubro de 1901, par. 3.

44. E.g. Conselhos Sobre Mordomia, págs. 66, 67, 71 e 93; Testimonies, vol. 3, pág. 395; vol. 6, pág. 386; vol. 9, pág. 249.

45. Testemunhos Seletos, vol. 1, pág. 374.

46. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 66; cf. “Roubará o Homem a Deus?”, Review and Herald, 16 de maio de 1882, par. 28.

47. Patriarcas e Profetas, pág. 526.

48. “Nosso Dever Como Professores e Membros”, Indiana Reporter, 15 de agosto de 1906, par. 6.

49. Educação, pág. 138.

50. Educação, pág. 139.

51. Esse conceito não é novo. Malaquias já havia considerado a retenção do dízimo um ato imoral , um roubo cometido contra Deus, denotando que dar o dízimo é uma questão de  moralidade. Mas Ellen G. White expôs claramente a idéia, desenvolveu-a e a expressou na terminologia moral moderna.

52. Special Testimonies for Ministers and Workers – no 10 (1897), pág. 16; Medical Ministry, pág. 216.

53. Manuscript Releases, 13:198.

54. Testimonies, vol. 9, págs. 247 e 248.

55. “A Igreja e Sua Missão”, East Michigan Banner, 12 de abril de 1905, par. 1.

56. “O Dízimo: Seu Uso e Abuso”, General Conference Bulletin, 1.o de julho de 1897, par. 3. Os itálicos fazem parte do texto original.

57. Ela escreveu: “Deus deu instruções especiais quanto ao emprego do dízimo” (Conselhos Sobre Mordomia, pág. 101). Ver mais abaixo, para maiores informações sobre o uso do dízimo.

58. “A Igreja e Sua Missão”, East Michigan Banner, 12 de abril de 1905, par. 1. Ellen G. White não diz muita coisa sobre a santidade do dízimo depois que ele atingiu seu propósito sagrado. Ela raramente trata da questão de como os pastores usam seus salários. A única exceção significativa parece dizer respeito ao uso do dinheiro, por pastores, para comprar alimentos nocivos, especialmente alimentos cárneos: “Não devemos dar um testemunho decidido contra a transigência com o apetite pervertido? Porventura os ministros do evangelho, que estão a proclamar a verdade mais solene já enviada aos mortais, devem constituir-se exemplo no regresso às panelas do Egito? É lícito que os que são sustentados  pelos dízimos dos celeiros de Deus se permitam a condescendência que tende a envenenar a corrente vivificadora que lhes flui nas veias? Desprezarão a luz que Deus lhes deu e as advertências que lhes faz? A saúde do corpo deve ser considerada como essencial para o crescimento na graça e para a aquisição de bom temperamento.” – Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 360.

59. “Mensagem e Apelo: Apresentando a Importância da Obra Missionária”, Review and Herald, 12 de dezembro de 1878, par. 9.

60. Testimonies, vol. 4, pág. 337.

61. Testimonies, vol. 4, pág. 474.

62. Conselhos Sobre Saúde, pág. 590.

63. Manuscript Releases, 12:228.

64. “Quanto Deves?”, Signs of the Times, 6 de janeiro de 1890, par. 4.

65. Testimonies, vol. 4, pág. 119.

66. Testimonies, vol. 4, pág. 474.

67. Ver “Dízimos”, Pacific Union Recorder, 10 de outubro de 1901, par. 4.

68. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 73.

69. “Quanto Deves?”, Signs of the Times, 13 de janeiro de 1890, par. 5.

70. Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 41: “A única maneira que Deus ordenou, para fazer avançar Sua causa, é abençoar os homens com propriedades. Dá-lhes a luz do Sol e a chuva; faz a vegetação medrar; dá saúde e habilidade para adquirir meios. Todas as nossas bênçãos provêm de Suas munificentes mãos. Por sua vez, deseja que os homens e mulheres mostrem sua gratidão devolvendo-Lhe uma parte em dízimos e ofertas – em ofertas de gratidão, ofertas voluntárias e ofertas pelo pecado.”

71. Ver O Desejado de Todas as Nações, pág. 617.

72. Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 38.

73. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 82. Ela escreveu essa declaração em 1896, mas modificou-a em 1900, a fim de reconhecer que poderá haver circunstâncias em que uma pessoa talvez não seja capaz de levar o dízimo imediatamente ao tesouro (como em caso de doença): “Exata, honesta e fielmente, se possível sem alguma falha, o dízimo deve ser trazido ao tesouro de Deus.” – “Quanto Deves?”, Review and Herald, 25 de dezembro de 1900, par. 5.

74. Patriarcas e Profetas, pág. 528.

75. “Nos Lugares Celestiais”, pág. 303. A palavra “meios” é usada por Ellen G. White para referir-se às vezes aos dízimos e ofertas. Isto não significa, porém, que os dois sejam equivalentes. Ela sempre considerava o dízimo como sem igual, e chamava-o de “uma oferta especial, para uma obra especial” (“A Reivindicação de Deus Sobre Nós”, Review and Herald, 8 de dezembro de 1896, par. 2). Por sua própria natureza, o dízimo pertence a Deus e deve “ser dedicado unicamente à manutenção dos que se entregam à pregação do evangelho” (“Nos Lugares Celestiais”, pág. 303). Mais adiante, diremos algo mais sobre isso.

76. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 73.

77. “Cooperadores de Deus”, Review and Herald, 11 de junho de 1901, par. 7.

78. Ela escreveu: “O Senhor nos tem dado o privilégio de sermos cooperadores Seus, para que a verdade de origem celestial possa ser colocada ao alcance de todas as pessoas, em todos os países. O homem tem tido o privilégio de tornar-se um instrumento para executar, não os seus próprios planos, mas os planos do Céu.” – “O Dever de Pagar Dízimos e Ofertas”, Review and Herald, 17 de dezembro de 1889, par. 5.

79. Mensagens aos Jovens, pág. 306.

80. Ver Conselhos Sobre Mordomia, pág. 97.

81. Testimonies, vol. 6, pág. 389.

82. Testemunhos Para Ministros e Obreiros Evangélicos, pág. 305.

83. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 67.

84. Testimonies, vol. 3, pág. 404.

85. Conselhos Sobre Mordomia, págs. 73-74.

86. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 93.

87. Cf. Testimonies, vol. 1, pág. 225.

88. Ver “A Obra em Michigan”, Sermons and Talks, 2:71-79. G. Edward Reid reimprimiu esse artigo e colocou proveitosos resumos na margem de cada página.

89. Ibidem, pág. 73.

90. Ibidem.

91. Ibidem, pág. 74.

92. Ibidem.

93. Ibidem. Deve ser salientado que, ao mesmo tempo, Ellen G. White incentivou os membros da Igreja a expressarem suas preocupações aos que haviam errado (Ibidem, pág. 75). Em 1907, ela deu alguns conselhos mais específicos: “Roubareis … a Deus, por pensardes que a direção da obra não é correta? Apresentai vossa queixa franca e abertamente, no devido espírito, e às pessoas competentes. Solicitai em vossas petições que se ajustem as coisas e se ponham em ordem; mas não vos retireis da obra de Deus, nem vos demonstreis infiéis porque outros não estejam fazendo o que é correto.” (Obreiros Evangélicos, pág. 227). Isso é tudo o que Deus espera dos membros da Igreja, mas Ele os conforta, dizendo: “Mesmo que os meios assim consagrados sejam mal aplicados, de modo que não se realize o objetivo que o doador tinha em vista — a glória de Deus e a salvação de almas — os que fizeram o sacrifício em sinceridade de alma, visando unicamente a glória de Deus, não perderão sua recompensa” (Testimonies, vol. 2, pág. 518). Ellen G. White também salienta a responsabilidade dos dirigentes da Igreja no trabalho que realizam e no uso dos dízimos e ofertas: “O tesouro de Deus deve ser abastecido pelo dízimo, o qual deve ser considerado como um fundo sagrado. Ele é de Deus e deve ser dado liberalmente, para que a obra possa ser sustentada. Aqueles que ocupam posições de responsabilidade devem agir de tal maneira que as pessoas tenham firme confiança neles. Estes homens não deveriam ter receio de trazer à luz tudo que diz respeito à administração da obra” (Manuscript Releases, 13:198).

94. “Dízimos”, Pacific Union Recorder, 10 de outubro de 1901, par. 3.

95. “Dádivas de Dias Festivos”, Review and Herald, 26 de dezembro de 1882, par. 16.

96. Ibidem.

97. “O Dever de Dar Dízimos e Ofertas”, Review and Herald, 17 de dezembro de 1889, par. 1.

98. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 73; cf. “A Igreja e Sua Missão N.o 1”, East Michigan Banner, 18 de janeiro de 1905, par. 3.

99. Evangelismo, pág. 321.

100. Gospel Workers (1892), pág. 98.

101. Testimonies, vol. 9, pág. 251.

102. Obreiros Evangélicos, pág. 370.

103. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 101.

104. “Uma Prova de Gratidão e Lealdade”, Review and Herald, 4 de fevereiro de 1902, par. 7.

105. Ibidem. Ela comenta que os princípios que se encontram em I Cor. 16:2 e II Cor. 9:7 se aplicam ao dízimo. O princípio mais importante é que cada pessoa deve separá-lo antes de usar o resto do dinheiro.

106. Ibidem, par. 8.

107. Testemunhos Para Ministros e Obreiros Evangélicos, pág. 305. Em outro lugar ela declara que “o dízimo é pago à Associação”, a qual, no contexto, é identificada com  “o tesouro” (Manuscript Releases, 7:366).

108. Testimonies, vol. 9, pág. 59,

109. Testimonies, vol. 6, pág. 386.

110. “O Sistema Bíblico de Dízimos e Ofertas”, Signs of the Times, 18 de março de 1886, par. 7; em 1875, ela também declarara que “Deus especificou um décimo da renda” como dízimo (Testimonies, vol. 3, pág. 394 e 408 e repetiu-o em 1882: “O dízimo de toda a nossa renda é do Senhor”. Então, ela acrescenta: “Ele é santo. Nada menos do que isso tem sido por Ele aceito em qualquer dispensação” (“Roubará o Homem a Deus?”, Review and Herald, 16 de maio de 1882, par. 27).

111. “O Dever de Dar Dízimos e Ofertas”, Review and Herald, 17 de dezembro de 1889, par. 1.

112. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 82; escrito em 1896.

113. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 66; escrito em 1899.

114. Educação, pág. 44; escrito em 1903.

115. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 82; escrito em 1875.

116. Testemunhos Seletos, vol. 1, pág. 373.

117. Ibidem.

118. Testemunhos Seletos, vol. 2, pág. 40, escrito em 1882. Em 1880 ela repreendeu alguns que estavam calculando “o dízimo o mais escassamente possível” (Testemunhos Seletos, vol. 1, pág. 555).

119. Manuscript Releases, 13:281. Em um de seus primeiros artigos que tratam dos dízimos e ofertas, não há instruções específicas sobre como usar o dízimo; ela simplesmente admoesta os membros da Igreja a trazerem seus dízimos e ofertas ao Senhor e a não roubá-Lo (Testimonies, vol, 1, pág. 321 [1861]). Em 1874, ela incentivou os crentes a trazerem  seus dízimos e ofertas a fim de transmitir a luz do evangelho a outros (Testemunhos Seletos, vol. 1, págs. 360, 367, 370-372, 374). Usou também os exemplos de Abraão e Jacó para apoiar o dízimo moderno (pág. 372). Mas não fez distinção entre o uso dos dízimos e o uso  das ofertas. Em 1879, ela escreveu sobre a propagação do evangelho por meio de dízimos e ofertas (Testemunhos Seletos, vol. 1, pág. 551), mas menciona alguns outros usos: “Importa que se apoiem as instituições que são instrumentos de Deus no promover Sua obra na Terra. Devem-se erigir igrejas, estabelecer escolas, e aparelhar as casas editoras com os meios necessários à realização de uma grande obra na publicação da verdade a ser propagada por todas as partes do mundo.  Essas instituições são ordenadas por Deus, e devem ser mantidas com dízimos e ofertas liberais” (pág. 543). Aqui não é feita distinção entre o uso dos dízimos e das ofertas. Foi na década de 1890 que ela recebeu mais luz do Senhor, levando-a a esclarecer o que escrevera em 1879.  Por conseguinte, o uso específico dos dízimos começou, então, a ser diferenciado do uso das ofertas. “O relato torna claro que na metade da década de 1890, o Senhor, por intermédio de Sua mensageira, deu instruções específicas requerendo praxes rigorosas acerca do uso do dízimo” (Arthur L. White, “Destaques do Começo do Sistema do Dízimo”, Documento  do Patrimônio Literário de Ellen G. White, 1990, pág. 10).

120. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 101; cf. Obreiros Evangélicos, pág. 224; Testimonies, vol. 9, pág. 247.

121. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 101.

122. Manuscript Releases, 13:281.

123. “Nas Regiões Afastadas”, General Conference Bulletin, 5 de abril de 1901, par. 8. A declaração não deve ser interpretada como significando que, se em vez de duas ou três pessoas, houvesse oito ou nove, seria correto decidirem como deveria ser usado o dízimo. Semelhante conclusão é descartada pela última frase, a qual salienta que o dízimo pertence a Deus, e não a três, nove ou cinqüenta pessoas.

124. Parábolas de Jesus, pág. 300. Itálico acrescentado.

125. Spalding and Magan Collection, pág. 166.

126. Manuscript Releases, 13:198.

127. Conselhos Sobre a Escola Sabatina, pág. 130.

128. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 102.

129. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 93.

130. Daughters of God, pág. 256.

131. Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 38.

132. Testimonies, vol. 6, pág. 215.

133. Ibidem.

134. Manuscript Releases, 5:323.

135. Ibidem.

136. Manuscript Releases, 12:160.

137. Manuscript Releases, 1:263.

138. Medicina e Salvação, pág. 245.

139. Manuscript Releases, 1:189; ver também “O Uso do Dízimo”, Echoes, 21 de junho de 1905, par. 6.

140. Manuscript Releases, 3:272-273.

141. Ver: Robert W. Olson, “Comentários de Ellen G. White Sobre o Uso de Fundos de Dízimo”, inédito, fevereiro de 1990, pág. 19. Olson insinua que, sob algumas circunstâncias, ela talvez tenha defendido o pagamento de um salário parcial para alguns colportores evangelistas (pág. 20). Ele baseia sua opinião numa carta escrita por W. C. White em 11 de junho de 1902, na qual é descrito o que era feito na Austrália, enquanto Ellen G. White ainda estava ali, para ajudar alguns colportores evangelistas. Eles não recebiam mais do que “dois dólares e meio por semana … do dízimo da Associação, como auxílio em suas despesas” (Ibidem). Isto era efetuado em lugares  “muito difíceis de trabalhar”.

142. Manuscript Releases, 1:184.

143. Manuscript Releases, 7:366.

144. Ver: Olson, “Comentários de Ellen G. White …”, pág. 22.

145. Manuscript Releases, 1:191.

146. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 101.

147. Testimonies, vol. 9, pág. 247.

148. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 102.

149. Daughters of God, pág. 257.

150. Obreiros Evangélicos, pág. 226.

151. “O Dízimo: Seu Uso e Abuso”, General Conference Bulletin, 1.º de julho de 1897, par. 3.

152. Testimonies, vol.3, pág. 103.

153. Pamphlet 157: Special Testimony to the Oakland and Battle Creek Churches, pág. 12. Houve um tempo em que o dinheiro do dízimo foi usado, em algumas igrejas, para pagar as despesas dessas igrejas. A razão era que estava sendo realizado muito pouco trabalho missionário, e o dízimo se acumulava. O que se fazia necessário, disse Ellen G. White, era maior envolvimento em atividades missionárias. A verdadeira razão, porém, para não usar o dízimo para cobrir despesas de igrejas era a seguinte: “A luz que o Senhor me concedeu sobre este assunto é que os meios no tesouro, para o sustento dos ministros nos diversos campos, não deve ser usado para qualquer outra finalidade” (Special Testimonies for Ministers and Workers, n.º 10 (1897), pág. 18.

154. Carta 93, 1899.

155. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 102.

156. Mensagens Escolhidas, vol. 2, pág. 209.

157. Conselhos Sobre Mordomia, pág. 103.

158. Manuscript Releases, 3:218.

159. Fundamentos da Educação Cristã, pág. 477.

160. Pamphlet004-An Appeal for Missions, pág. 24.

161. Robert W. Olson fez alguns comentários importantes sobre as inferências das instruções de Ellen G. White acerca do emprego do dízimo (“Comentários de Ellen G. White”, págs. 24 e 25). Ele insinuou que “o fundamento lógico para dar a máxima prioridade ao ministério evangélico no emprego dos fundos oriundos do dízimo deve ser que os pastores, evangelistas e administradores de Associações não têm outra fonte adequada de renda disponível para o seu sustento. Isto também é verdade a respeito de outros componentes do pessoal dos escritórios das Associações, como secretárias, contadores, zeladores, etc.” Obviamente, isso é certo; mas, conforme demos a entender, ela tem toda uma teologia do dízimo que informava e determinava sua perspectiva do emprego do dízimo.

162. Ver: Arthur L. White, “A Sra. Ellen G. White e o Dízimo”, documento do Patrimônio Literário de Ellen G. White, 1990; Arthur L. White, Ellen G. White: The Early Elmshaven Years, vol. 5 (Washington, DC: Review and Herald, 1981), págs. 389-397; Alberto R. Timm, “Uma Análise de Quatro Declarações de Ellen G. White Sobre Usos Especiais do Dízimo”, pesquisa não publicada, abril de 1991; e Roger W. Coon, “O Dízimo: Conselhos e Práticas de Ellen G. White”, Suplemento da Adventist Review, 1991.

163. Manuscript Releases, 2:99 (1902).

164. Ibidem, pág. 100.

165. Ibidem, p. 99. Ela sentia verdadeira solicitude por pastores aposentados que estavam em necessidade financeira porque naquele tempo a Igreja não tinha um plano de aposentadoria. Ela escreveu: “Onde vejo obreiros nesta causa, que têm sido sinceros e leais à obra, deixados a sofrer, é meu dever falar em seu favor. Se isto não leva os irmãos a ajudá-los, então eu preciso auxiliá-los, mesmo que tenha de usar parte do meu dízimo para fazer isso” (Citado por W. C. White, em “A Respeito do Uso do Dízimo”, manuscrito não publicado, DF 384, EGWRC-GC, [cerca de 1932]).

166. Manuscript Releases, 2:101-102.

167. Manuscript Releases, 5:29 (1898).

168. Ibidem.

169. “Carta de Watson”, publicada no livro de Arthur L. White, The Early Elmshaven Years, pág. 395.

170. Ibidem.

171. Ibidem.

172. Ibidem.

173. Ibidem, pág. 396.

174. Patriarcas e Profetas, pág. 530.

175. Ibidem.

176. Ibidem.

177. “Exigindo Usura de Irmãos”, Review and Herald, 11 de março de 1884, par. 3.

178. “A Necessidade da Causa na Austrália”, Needs, 4 de julho de 1903, par. 21.

179. Manuscript Releases, 7:138 (1904).

180. Ibidem, pág. 139.


PDF: O Dízimo nos Escritos de Ellen G. White