Devemos ter cruzes em nossas igrejas?

A Sra. White nunca se pronunciou sobre esse assunto.  Mas aqui está uma declaração relacionada ao assunto:

“Existia notável semelhança entre a Igreja de Roma e a igreja judaica, ao tempo do primeiro advento de Cristo. Ao passo que os judeus secretamente espezinhavam todos os princípios da lei de Deus, eram exteriormente rigorosos na observância de seus preceitos, sobrecarregando-a com exorbitâncias e tradições que tornavam difícil e penosa a obediência. Assim como os judeus professavam reverenciar a lei, pretendem os romanistas reverenciar a cruz. Exaltam o símbolo dos sofrimentos de Cristo, enquanto no viver negam Aquele a quem ela representa.

Os romanistas colocam cruzes sobre as igrejas, sobre os altares e sobre as vestes. Por toda parte se vê a insígnia da cruz. Por toda parte é ela exteriormente honrada e exaltada. Mas os ensinos de Cristo estão sepultados sob um montão de tradições destituídas de sentido, falsas interpretações e rigorosas exigências. “(O Grande Conflito, p. 568)

A Sra. White não condenou o uso de cruzes em nossas igrejas, contanto que não fossem extravagantes e que acrescentassem beleza e funcionalidade.  A motivação era muito importante para ela.

 

 

FAGAL, William. 101 perguntas sobre Ellen White e seus escritos. Tatuí, SP : Casa Publicadora Brasileira, 2013, p. 120 .


PDF: Devemos ter cruzes em nossas igrejas?