Visita do comitê do White State ao Brasil – 30 anos Centro White

Ellen G. White foi uma grande profetisa e seus escritos são considerados pela igreja Adventista como um dos pilares para a base de toda a filosofia pregada não só pela igreja, mas também por toda o sistema organizacional da instituição. As ideias de Ellen G. White, sempre inspiradas por Deus, regem os passos das escolas, hospitais, clínicas e tudo aquilo que leva o nome da instituição Adventista. 

Levando em consideração a relevância de seus manuscritos, para o bom funcionamento de toda a denominação, era quase obrigatório a criação de algum mecanismo para a preservação de tais documentos, assim, a própria autora designou cinco líderes da igreja Adventista para cuidar de seus manuscritos. Desta forma, com a morte de Ellen White em 1915, foi oficializado o White State (em português Patrimônio Literário de Ellen G. White) como instituição legal, tendo Arthur Daniells como seu primeiro presidente.  

EGW Ambiente 8-jpg

Centro de Pesquisas Ellen G. White no IAE (atualmente UNASP-SP), hoje funciona no campus Engenheiro Coelho.

Após alguns anos, por decorrência da Segunda Guerra Mundial, a igreja viu a necessidade de transferir os documentos para outras sedes. Parte dessa documentação foi para outros escritórios dentro do território Norte-Americano e mais tarde para extensões ao redor do mundo. Porém apenas em 1979 surgiu uma real movimentação para a criação de um Centro White no Brasil. Durante oito anos as negociações foram realizadas para que finalmente em 1987 o projeto fosse oficializado. Após 5 anos de funcionamento no São Paulo, o Centro White foi transferido para o UNASP EC, marcando assim o ano de 1992 na história. 

No ano de 2017, o Centro de Pesquisas Ellen G. White completa 30 anos de pleno funcionamento no Brasil. A unidade no campus UNASP EC trabalha preservando os manuscritos de Ellen White, porém expandiu seu acervo em diversos outros âmbitos, entre eles objetos e até mesmo parte da mobília dos pioneiros do movimento adventista no Brasil, documentos da FAT (Faculdade Adventista de Teologia), acervo imagético de pastores, entre outros.  

WhatsApp Image 2017-09-26 at 11.49.12

Acervo de mobília dos pioneiros Adventistas no Brasil, localizado no Centro White UNASP EC.

Hoje o Centro de Pesquisas Ellen G. White mantém um espaço com biblioteca própria e um museu com ênfase em arqueologia bíblica localizado no mesmo edifício. O Centro White recebeu desde 2012 o número de 7988 visitas em seu espaço e uma média de 3201,6 visitas no site (www.centrowhite.org.br) desde o dia 31 de agosto deste ano (2017). Os minicentros vêm em um crescente: 34 extensões do Centro de Pesquisa foram criadas de 2010 a 2016, sendo criados em média 6,8 minicentros por ano. 

foto1

Da esquerda para a direita: Pr. Renato Stencel, Pr. Jim Nix e Pr. Alberto Timm.

Na primeira semana do mês de setembro, um comitê do White State veio ao Brasil e realizou uma visita ao Centro White do UNASP Engenheiro Coelho. Nesta comitiva estavam o Pr. Jim Nix (Diretor do White State), Pr. Alberto Timm e Chantal Klingbell (Diretores associados).

Além de uma visita ao espaço do CPEGW, foi realizado um culto ao curso de teologia com a programação voltada à história do departamento onde o Pr. Renato Stencel (Diretor do Centro White UNASP EC) realizou as boas vindas e um breve resumo da história do ministério no Brasil, e o Pr. Jim Nix realizou o sermão. 

Após a visita ao UNASP o comitê, juntamente com o Pr. Renato Stencel, seguiu viagem para Brasília, se juntando com outros líderes da igreja Sul-Americana para uma programação especial.

Entre os dias 7 a 10 de setembro palestras e reuniões visando o reforço da pregação do Espirito de Profecia e outros assuntos que vem de encontro com a fé cristã foram realizadas.

 

3b49c50b-21a8-4e0a-af25-7072fe616297_edited

 

Além das palestras, novas diretrizes a serem seguidas pelos Centros White na América do Sul foram abordadas, com a intenção de se criar uma rede onde todas poderiam estar interligadas, trabalhando para a valorização da literatura Adventista. 

Texto por Danillo Rios e Kalline Meira